15 janeiro 2011

Lucca, cercada pelas muralhas



Lucca é uma simpática cidadezinha da Toscana, que tem seu centro histórico artisticamente cercado pelas muralhas do renascimento de 1500. Até hoje a cidade mantém intacto o seu centro histórico medieval. Suas  muralhas, que abrangem 5 quilômetros, são formadas por 12 cortinas e 11 baluardos.



Porta San Donato

Porta Santa Maria
Porta San Pietro

As muralhas possuem diversas entradas, entre as quais tem destaque a Porta San Pietro,  Porta Elisa, Porta Santa Maria, Porta San Donato, Porta San Jacopo, Porta Vittorio Emanuele também chamada Porta Sant'Anna. 

Algumas entradas são muito simples, mas outras são ricamente trabalhadas com esculturas, tal como  Porta Santa Maria que é dedicada à Virgem Maria e a Porta San Donato que mantém a imagem de San Donato e San Paolino. 





Estando a 12 metros acima da cidade, as muralhas foram transformadas em um passeio alto sobre os tetos das casas, o que permite conhecer e ver a cidade do alto. Mas é andando pelas ruazinhas medievais estreitas de Lucca que torna possível ver os belos monumentos de Lucca.





Piazza dell´Anfiteatro Romano ou Piazza del Mercato: Essa praça, que é uma das grandes atrações de Lucca, representa uma obra prima única da arquitetura italiana e um episódio urbanístico. Por volta de 180 a.C Lucca era uma colônia romana e uma de suas atrações era um antigo anfiteatro. Pouco restou daquele período histórico , já que o material do anfiteatro foi reciclado em outras construções.

A atual Piazza del Mercato, caracterizada por seus edifícios coloridos e construída sobre o anfiteatro, ainda conserva a sua forma elíptica, típica da arena. No mesmo lugar também são indicados alguns portões através dos quais os gladiadores e os animais ferozes entravam no anfiteatro. As casas medievais cresceram apoiando-se sobre os potentes degraus do edifício.


 


Via Fillungo: Uma das coisas agradáveis de Lucca é a possibilidade de percorrer seus becos e ruelas a pé. A geometria das ruas obedece o traçado de quando a cidade era uma antiga colônia romana. E a Via Fillungo é uma das mais charmosas, repletas de lojas, cafeterias e edifícios históricos.


Tordelli Lucchesi

Delícias Lucchesi: Lucca foi fundada pelos lígures numa ilha do rio Serchio, desde o século 5 aC. tendo sido depois ocupada pelos etruscos. No século 13, era um importante centro de produção de lã e centro financeiro internacional. Tendo caído sob o controle dos Pisanos no século 17, Lucca perdeu progressivamente a sua importância econômica. Além disso, pestes que atingiram a região.

Porém hoje Lucca é uma das maiores produtoras de azeites e vinhos da Itália. Uma das especialidades da cidade é a Zuppa di Farro Lucchese (sopa de legumes) e o Tordelli Lucchesi (macarrão em forma de meia-lua recheado de carne) e um pão doce de origem pobre chamado Buccellato. O doce, que leva uvas passas e anis, é encontrado nas padarias.


Palazzo Pretorio

Palazzo Mazzarosa

Palácios: Lindos palácios estão espalhados por toda parte. Um deles é Palazzo del Podestà ou Palazzo Pretorio, que teve sua construção iniciada em 1494. Dentro da loggia existe um monumento dedicado a Matteo Civitali que projetou a construção. Notável é o relógio na fachada.


Palazzo Ducale

Outro belo palácio, que se encontra na Piazza Napoleone é o Palazzo Ducale. Sede do antigo governo de Lucca em meados de 1370, através dos anos passou por muitas reformas. Em algumas salas do palácio funciona o Museo del Risorgimento, que mantém artefatos preservados desde 1821 até a Primeira Guerra Mundial.

Entre as relíquias mais importantes estão uma bandeira de 1821, objetos ligados a Giuseppe Garibaldi e uma coleção de armas, pinturas, cartas, roupas e objetos do cotidiano. Após uma refinada reestruturação, o museu foi reaberto ao público em 2013.



Palazzo Pfanner

O Palazzo Pfanner ostenta um dos jardins clássicos mais bonitos da Toscana. Com uma enorme quantidade de estátuas barrocas de deuses da mitologia romana, no salão principal do prédio há uma exposição de trajes usados pelos nobres nos séculos 18/19, muitos deles em seda, um tecido nobre que colocou Lucca em destaque.




Torre Guinigui:  Dessa torre tem-se uma bela vista da cidade. No passado Lucca contava com cerca de 250 torres, mas essa foi uma das poucas que resistiram ao passar dos séculos. Com cerca de 44 metros, a torre é um dos símbolos de Lucca.

Subir até o topo não é para qualquer um. São 230 degraus, mas a peculiaridade do lugar vale qualquer esforço. Lá no alto, um curioso detalhe chama atenção. Pequenos carvalhos insistem em crescer num local tão inusitado e pouco provável - no topo da torre.





Museu Villa Guinigi: Há vários museus na cidade, sendo um deles o Museu Villa Guinigi que preserva muitas obras de arte e objetos arqueológicos da Idade do Ferro, da cultura etrusca e do período medieval. Situado em um palácio, que foi construído em 1413 para Paolo Guinigi - Senhor de Lucca, a partir de 1530 passou por uma reforma e seu grande parque foi loteado.






Igrejas: Lucca é chamada "Cidade das 100 igrejas", mas é provável que já não existam tantas assim. Porém em vários pontos da cidade pode-se encontrar uma igreja. Entre as mais famosas tem destaque o Duomo di San Martino.

Na fachada está a escultura de San Martino. Em seu interior está a antiguissima escultura do Volto Santo, que segundo a tradição representa o verdadeiro rosto de Jesus. Em vários pontos é possível notar símbolos maçônicos e esotéricos.





Há também outras, como a Igreja de San Michele in Foro, com uma fachada composta por diferentes fileiras de colunas de mármore retorcidas. Construída onde havia um antigo Foro Romano, exibe uma fachada muito interessante feita em três fileiras de colunatas trabalhadas, com decoração predominantemente pagã.





A Igreja de San Frediano tem a fachada decorada por um mosaico colorido do século 13, retratando figuras de apóstolos.Toda a área perto da Igreja de S. Frediano conserva ainda as antigas armações das entradas de muitas lojas e laboratórios artesanais. Ao percorrer a elegante e pitoresca rua, se vê casas e torres, embelezadas por elementos em ferro batido.




Museu Puccini: Terra do grande músico Giacomo Puccini, que compôs Madame Butterfly e La Boheme, quem quiser assistir um concerto, de abril a outubro há o Festival Puccini. A casa onde nasceu o mestre italiano foi transformada em um museu aberto ao público. Ali é possível conhecer o seu ateliê, o escritório e contemplar objetos como a echarpe de seda usada pelo compositor ou uma carta escrita por Richard Wagner e endereçada a Puccini.

Teatro del Giglio: O teatro municipal foi fundado no século 17, tendo recebido o nome de Teatro del Giglio em homenagem á dinastia Bourbon, cujo brasão possui três lírios dourados. É um dos teatros públicos mais antigos da Itália.





2 comentários:

  1. Ciao Lucia,
    tutto bene?

    Lucca é mesmo uma cidade molto bella, aliás como toda a região da Toscana.

    Você é de Minas, certo?
    Estou no Brasil há mais de um ano e ainda não visitei esse estado. Tenho muita vontade de conhecer as cidades históricas. E eu adoro pão de queijo e outros doces da sua terra. Todos falam que a comida mineira é muito boa.

    A presto.

    Un abbracccio,
    davide

    ResponderExcluir
  2. Lucca é uma bela cidade, onde nasceu meu bis nono Michele Bacci que deixou sua terra natal e imigrou para o Brasil vindo morar na cidade de Bento Gonçalves no estado do Rio Grande do Sul. Aqui casou com Theodolinda Maccari e tiveram 9 filhos. Seu objetivo era voltar a Lucca e rever seus familiares, mais uma doença o levou jovem ainda, deixando de realizar seu sonho de voltar para sua QUERIDA LUCCA a qual tinha grande saudades.Esta é um pouco da saga de meu bis nono que foi de todos imigrantes italianos que vieram para o Brasil...trabalhar na America e voltar a Itália, mais o destino não permitiu.

    ResponderExcluir

Agradeço por sua visita e seus comentários

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.