29 junho 2017

Firenze 1 - Berço do Renascimento





Firenze é uma das cidades mais belas e fascinantes do mundo. Considerada como o berço da Renascença Italiana e famosa por sua magnífica arquitetura, a cidade é recheada de imponentes palácios e praças aristocráticas, mantendo sob sua guarda quase a metade do acervo artístico de toda a Itália.

Situada às margens do Rio Arno no coração da Toscana, seu passado está ligado à explosão artística do renascimento cultural na Europa, tendo sido transformada em uma das principais capitais artísticas do mundo. Alí viveram ícones como Botticelli, Donatello, Michelangelo, Dante Alleghieri, Leonardo da Vinci e outros.




Caminhar pelas ruas e admirar seus palácios significa passar por caminhos percorridos por nobres e grandes mestres da arquitetura e das artes, que transformaram Firenze em Patrimônio da Humanidade. Duas das galerias mais concorridas do mundo, a Galleria dell'Uffizi e Galleria dell'Accademia estão em Firenze, deixando os visitantes perplexos com as melhores criações dos grandes gênios do passado.

Aliás, Firenze é um museu a céu aberto, o que só se tornou possível devido à família Medici, que governou a cidade entre 1389/1737. Além de serem grandes colecionadores de obras de arte, também foram generosos patrocinadores de grandes mestres, artistas, pintores, escultores e arquitetos que viviam em Firenze.



Família Medici / Grãos Duque da Toscana

Na Idade Média Firenze era um fortíssimo centro comercial, tendo ampliado sua riqueza e poder a partir de um inovador e influente setor bancário. Foi nesse ambiente que a família Medici, formada por uma dinastia de banqueiros, chegou ao poder econômico no final da Idade Média e transformou a cidade no coração cultural e intelectual da Europa.

Provenientes de Mugello, embora fossem pessoas comuns e não nobres, os Medicis se comportavam como se fossem monarcas. Conta-se que a Casa dei Medici foi uma das famílias mais ricas da Europa, graças à astúcia do banqueiro Giovanni Bicci di Médici, que viveu entre 1360–1429 e acumulou uma grande fortuna.

Seus dois filhos deram prosseguimento à Dinastia Medici, que teve sua história marcada por paixões, traições, mistérios, crimes e poder; um perfeito enredo cinematográfico. Com a morte de Gian Gastone de Médici em 1737, último herdeiro da família que não tinha filhos, o governo da cidade foi entregue para a Casa Lorena-Habsburgo, dinastia da qual fazia parte Dona Leopoldina, a primeira imperatriz do Brasil.


Retratos dos Medicis no Corredor Vasariano
Maria Luisa Medici:

Coube a Maria Luisa de Medici entregar os palácios governamentais para a família Lorena-Habsburgo. Porém, para evitar que as obras artísticas se dispersassem durante o novo governo, ela usou dos argumentos da lei e legou à cidade todos os bens, jóias e obras de artes. Dessa forma, nada poderia ser vendido, doado ou transferido para outro lugar, assim como deveriam estar expostos para admiração do público.

Em 18 de fevereiro de 1743 Maria Luisa faleceu, data que os fiorentinos realizam todos os anos uma homenagem à protetora das artes de Firenze, ocasião em que é realizado um cortejo histórico da República Florentina. Atendendo ainda ao desejo de Maria Luisa, nesse dia as entradas em alguns museus são gratuitas.



Complexo da Basilica San Lorenzo / Capela Medicee

É inquestionável a importância dos Medicis para Firenze e eles ainda estão presentes por todos os lados, sejam nas construções quanto nas lembranças. Um desses lugares é a Capela Medicee, onde estão os mausoléus da família. Projetada pelo arquiteto Brunelleschi, a capela foi construída por Michelangelo a partir de 1519, pouco antes de partir para Roma.

Situada atrás da Basílica de San Lorenzo, a capela tem uma enorme cúpula de 50 metros de altura, fazendo com as pessoas se sintam minúsculas. Aliás, essa era a ideia. Feita em mármore branco, com formato octagonal e decorada com pedras preciosas, no alto de cada um dos túmulos está o brasão da família.


Capela dos Príncipes

Chamada de Capela dos Príncipes, foi idealizada por Cosimo I de Medici mas só foi executada a mando de seu neto Ferdinando I de Medici em 1604. Os vãos presentes acima dos sarcófagos foram feitos para conter as esculturas de cada um dos Medici, porém somente duas foram feitas: a de Ferdinando I e Cosimo II.

Na verdade os seis sarcófagos estão vazios, pois os restos mortais dos Medici continuam na cripta localizada no subsolo do prédio. Também na cripta estão os restos mortais de Anna Maria Luisa de Medici, que doou todas as obras de artes da família para os fiorentinos.




Basílica San Lorenzo

A Basílica de San Lorenzo é uma das mais antigas igrejas de Firenze, tendo sido consagrada em 393. Até a construção da catedral, foi a igreja mais importante da cidade. Nela estão os restos mortais de Giovanni e Piero de Medici, assim como de Cosimo - o Velho, que foi o primeiro Medici no poder. É impressionante o contraste entre a pedra bruta da fachada exterior com a harmonia do interior.

Na verdade a fachada nunca foi terminada, mas o interior tem um acabamento impecável. O teto contém afrescos que reproduzem a posição das estrelas e planetas em Firenze, na noite de 4 de julho de 1442. Uma das obras interessantes da Basílica é "Sposalizio della Vergine" de Rosso Fiorentino e o "Martírio de San Lorenzo" de Agnolo Bronzino de 1565.



Biblioteca Medicea

À esquerda da Basílica está a entrada dos claustros e a Biblioteca Medicea-Laurenciana. Antes de entrar na biblioteca é possível desfrutar, desfrute da agradável tranquilidade do claustro da basílica. Pelo claustro chega-se à Sala do Tesouro, onde estão as relíquias de santos e objetos preciosos. Em seguida vem a encantadora biblioteca, um importante centro de pesquisa que contém uma bela estrutura. A Sala de leitura e a entrada da biblioteca foram desenhados por Michelangelo entre 1524 e 1534.



Palazzo Medici-Riccardi

Na Idade Média a família Medici patrocinou as obras de expansão e restauração da Basílica San Lorenzo, isso porque eles gostavam muito dessa igreja por estar perto do Palácio Real, hoje Palazzo Medici-Riccardi. Nesse palácio viveu Cosimo de Medici, conhecido como "o Velho", que governou em Firenze em 1434/1464.

O patriarca da família encomendou a construção de uma residência elegante, mas exigiu que tivesse um ar de sobriedade. A obra transcorreu entre 1444/1452, tornando essa área conhecida como "Quarter Medicean" ou "Quarteirão dos Medicis".



Cappella dei Magi ou Capela dos Magos

Numerosas decorações foram feitas no interior do palácio dos Medicis, inclusive a Cappella dei Magi ou Capela dos Magos em 1459. Totalmente decorada com afrescos para ser um espaço privado da família, um detalhe é que as vestimentas dos reis magos e da procissão são típicas da época fiorentina.

Outro detalhe é que o artista decidiu representar Lorenzo - o Magnifico como Rei Gaspar montado no cavalo branco, seguido pelo seu avô, Cosimo il Vecchio, seu filho Piero e o irmão Giuliano. Alguns anos mais tarde os nobres da família Medici mudaram para o Palazzo Vecchio, ficando o antigo palácio sendo usado por membros menos importantes da família. Em 1659 a Família Medici decidiu vender o palácio à família Riccardi, que duplicou o tamanho original do palácio.


... continua em Firenze 2...



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por sua visita e seus comentários

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.