28 junho 2012

Voando sobre as Dolomitas da Basilicata



No coração da Basilicata, há 15 milhões de anos emergiram do mar as imponentes Dolomitas de Lucânia com suas torres espetaculares. O tempo, a chuva e o vento esculpiram as formas de arenito que na tradição popular recebeu nomes especiais: Águia dourada,  Bigorna, Grande mãe e Pequena coruja.

Embora não haja muita vegetação, em alguns locais inacessíveis os falcões fazem seu ninho. O Parque Natural de Gallipoli Cognato e Dolomitas da Lucânia tem grande valor ecológico. Perto dos picos das Dolomitas estão as cidades de Castelmezzano e Pietrapertosa, que são consideradas entre as mais belas aldeias da Itália. 


Castelmezzano

Castelmezzano: A chegada na pequena aldeia de Castelmezzano é bastante incomum, feita através de um túnel escavado na rocha depois de atravessar um desfiladeiro. Tipicamente medieval, um aglomerado de casas com telhados de lajes de arenito está imbutido nas rochas e muitas escadas íngremes convidam para uma subida às alturas para desfrutar das paisagens das Dolomitas.

Castelmezzano foi um local onde se instalaram os povos da Magna Grécia no século 5 a.C. Ocupada por diversos povos ao longo de sua história, depois da unificação do Reino da Itália em 1861 a cidade tornou-se um local de bandidagem.  Por sua posição geográfica e seus bosques, foi no passado um dos maiores lugares de refúgio dos bandidos.

O coração da cidade é a Praça Caizzo onde está a Igreja Matriz de Santa Maria dell'Olmo. Construída em 1544, a forma atual da igreja é resultado da reconstrução depois do terremoto de 1980.


Vários palácios com sacadas com grades de ferro forjado e belos portais de pedra estão ao longo da via principal. Fora da aldeia, pontes de pedra levam até o Vale de Caperrino onde existem antigos moinhos de pedra. Do vale, através de uma única ponte de arco de pedra, pode-se ir a Pietrapertosa nas proximidades.


Pietrapertosa

Pietrapertosa: A cidade preserva sua aparência medieval com casas típicas que se adaptam a rocha. Com ruas e becos sem saída, as muitas escadas são um exemplo da simbiose entre a aldeia e as rochas que se tornou no passado uma fortaleza natural contra eventuais intrusos. Belos palácios guardam ainda inscrições e emblemas da nobreza.

É a cidade mais alta da Basilicata que foi fundada em torno do ano 1.000 como uma fortaleza, sendo ainda visíveis partes do arco de entrada e uma torre vigia. A Igreja Matriz é dedicada a São Tiago Maior e tem grande valor artístico. Nos arredores da cidade, o Convento de São Francisco foi construído sobre os restos de uma fortaleza romana ao lado de uma Igreja. 






Caminho das Sete Pedras: Entre as cidades de Castelmezzano e Pietrapertosa há uma estrada pavimentada de aproximadamente 10 km que recorta as montanhas. Mas também há um antigo percurso chamado de Caminho das Sete Pedras, que é um resgate das antigas tradições dos camponeses que percorriam caminhando cerca de 2 km entre as duas cidades. 


Subindo e descendo colinas, o caminho se inspira nas histórias transmitidas oralmente entre gerações e na imaginação coletiva que são a base do texto "Vito com as bruxas". Ao longo do caminho a narração se traduz em formas visuais e sonoras.

São sete etapas e cada uma delas propõe uma palavra chave que dá sentido à história: destino, magia, bruxaria, bruxas, voar, dançar e delirar. Cada etapa inclui um espaço que narra uma sequência da história revelada pela magia da natureza. A paisagem das montanhas, florestas, riachos e vales é deslumbrante.





Volo dell'Angelo: Quem aprecia uma grande aventura, o trajeto de ida e volta de Castelmezzano a Pietrapertosa pode ser feito voando através de uma roldana presa em um cabo de aço que permite uma viagem em total segurança. A emocionante aventura, permite desfrutar da euforia do vôo e apreciar a paisagem vista apenas pelas aves e talvez pelos anjos, por isso o sistema é chamado "Volo dell'Angelo". 

Essa é a sensação que se tem voando suspenso no vazio a mais de 1.400 metros de altura entre o céu e a terra, a 120 km por hora. É uma espécie de bungee jumping porém com a sensação de voar cruzando o vazio até a próxima plataforma. O atrativo turístico que funciona apenas durante uma temporada do ano, visa criar novas experiências e emoções ao descobrir a verdadeira alma das Dolomitas de Lucânia. 






A primeira etapa inicia subindo as encostas das dolomitas. Um percurso longo e íngreme leva ao cume onde está a estação de partida que guarda os capacetes e cordas. Munido com os equipamentos, da rampa mergulha-se no precipício suspenso pelo fio. Com a força do vento no rosto, pode-se saborear a experiência única de pertencer à natureza. 

Essa é uma experiência cheia de emoções e arrepios de adrenalina. Graças ao sistema de rolamentos, a chegada é suavizada. O segundo vôo para retornar é feito através de outra estação que proporciona uma nova experiência devido ao cabo em um ponto diferente do vale. A vontade é de que o vôo durasse mais tempo e talvez tenha sido essa sensação que Ícaro sentiu quando desafiou os deuses e voou até o sol...
Leia sobre Ícaro em meu blog Mitologia Grega



2 comentários:

  1. Parabéns!
    Foi uma viagem virtual fantástica.
    Meu abraço
    Marília

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marilia. Obrigado pela visita ao blog e o carinho de seu comentário. Abraço. Lucia

      Excluir

Agradeço por sua visita e seus comentários

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.