29 junho 2012

Lago di Garda, um dos mais belos lagos do mundo


Uma das maravilhas da Itália é o imenso Lago di Garda entre as regiões da Lombardia, Veneto e Trentino Alto Adige. Considerado um dos mais belos lagos do mundo e o maior da Itália, o lago está situado entre as províncias de Brescia e Verona, sendo margeado por belas aldeias com seus parques e resorts. 
 
Também chamado Benaco, o Lago di Garda tem uma fascinante história contada por castelos e ruínas de antigas vilas romanas. De norte a sul são 50 km em linha reta e para dar uma volta completa no lago são aproximadamente 160 km de circunferência. Em alguns locais o lago chega a ter até 350 metros de profundidade.
 

Na época dos antigos romanos o lago era um destino de luxo durante o verão, principalmente das famílias ricas de Verona. Nas margens do lago e, principalmente ao sul nas cidades de Sirmione e Desenzano del Garda, existem várias ruínas de uma vila romana. 
 
O principal marco histórico de Sirmione é a Grotte di Catullo, que são ruínas de um local onde provavelmente tenha vivido em 55 a.C. o poeta Gaius Valerius Catullo, que dedicou seus poemas à cidade que ele chamou de  "a jóia de todas as peninsulas". 
 
Sirmione tornou-se popular devido às termas descobertas perto das ruínas romanas, que talvez tenha sido um balneário e não uma casa de campo. Hoje as águas ricas em minerais brotam a uma temperatura elevada e são usadas para tratamentos de saúde. 
 

A maior ilha do lago é a Isola del Garda que faz parte da cidade de San Felice del Benaco. Habitada desde o período romano, a ilha teve diversos nomes de acordo com seus proprietários. Durante 600 anos a ilha teve um mosteiro onde vivia uma comunidade religiosa em retiro.
 
A partir de 1780 a ilha passou para domínios particulares e hoje é de propriedade da família Cavazza, tendo destaque a bela mansão rodeada de jardins que são abertos ao público para visitas. Existem outras ilhas menores tendo destaque a Isola San Biaggio, também conhecida como Ilha dos Coelhos pertence a San Felice del Benaco e Isola dell'Olivo, Isola di Sogno e Isola di Trimelone que pertencem a Verona. 
 
 
Na margem do lago que pertence a Brescia, do sul ao norte há várias praias e resorts como Sirmione, Desenzano, Lido de Lonato, Padenghe sul Garda, Moniga del Garda, Manerba del Garda, San Felice del Benaco, Salò, Gardone Riviera, Toscolano, Maderno e Bogliaco. 
 
A partir de Gargnano a sinuosa estrada com trechos margeados de pinheiros e outros escavados na rocha, passa por longas galerias, túneis e sobre altos penhascos até chegar a Tignale e Tremosine.
 
 
A parte norte do lago é mais estreita e cercada por altas montanhas onde estão Limone sul Garda, Riva del Garda e Torbole. Essa área é muito frequentada por jovens de toda Europa que praticam escaladas, windsurf e outros esportes aquáticos. 
 
O dia é marcado por dois padrões de vento distintos - um vento frio que vem das montanhas ao norte no início da manhã e o vento mais quente que sopra do sul na parte da tarde. Pela manhã o vento pode ser bastante forte, produzindo ondas adequadas para pilotos qualificados.

Andar acima do Lago Garda é uma fabulosa experiência, seja indo de aldeia em aldeia entre as vinhas ou alcançando os picos que se elevam na parte norte. Na aldeia de Arco acima de Riva del Garda concentram-se os esportistas que gostam de escaladas. Os adeptos de Mountain bike consideram essa região um dos melhores lugares para testar graus de dificuldade. 
 

No outro lado, na margem do lago que pertence a Verona estão as cidades de Malcesine, Brenzone, Torri del Benaco, Garda, Bardolino, Lazise e Peschiera del Garda. Do norte ao sul, a estrada sinuosa margea o lago sobre penhascos passando por várias galerias e longos túneis até chegar a Malcesine. 

A cidade de Garda tornou-se importante e provavelmente deu seu nome ao lago por causa da posição estratégica que ocupava nas praias do sudeste. Muito antes, muitos vestígios históricos foram descobertos na área da cidade e nas encostas circundantes. Influências dos venezianos ainda podem ser vistas em partes da cidade velha. Chamada de Riviera das Oliveiras, os festivais de verão estão relacionados às atividades de pesca. Na aldeia de Marciaga perto Garda há também bons locais para escalada. 
 
 
Malcesine é um labirinto de ruelas estreitas e históricas com um castelo que tem grandes torres. Porém o mais interessante de Malcesine é o Monte Baldo que ergue-se por trás da cidade onde se chega através de um teleférico. 
 
O teleférico tem duas estações: a primeira vai de Malcesine a San Michele a quase 470 metros de altitude e tem uma extensão de 1512 metros de comprimento. A segunda vai de San Michele ao Monte Baldo a quase 1190 metros de altitude e tem 2813 metros de comprimento.

O percurso é concluído em 10 minutos e as cabines rotativas permitem observar a região em 360º. O pico do Monte Baldo tem 2.218 metros de altitude e do alto tem-se uma vista panorâmica do Lago de Garda e das cidades mais próximas. No verão inúmeros turistas com bicicletas ou material para caminhadas sobem o monte através do teleférico e saem pelas trilhas para explorar a região. No inverno, os turistas aproveitam a neve para esquiar, porém dependendo do tempo prejudica a visibilidade no lago devido à neblina.   


O Lago de Garda também é local de muitos sabores. Do Trento Alto-Ádige saem os melhores vinhos branco-seco e espumantes. Garda e Bardolino produzem os melhores vinhos do Vêneto. E da região da Lombardia, o Classico Garda e DOCs de Brescia oferecem vinhos tintos e brancos.

As vinhas de Bardolino cobrem a área montanhosa atrás do litoral do Lago Garda, tendo uma variedade de vinhos DOC e está próximo de Valpolicella que no dialeto da região significa "vale das muitas cantinas". 
 
É possível fazer uma viagem ao redor das vinhas na Rota do Vinho Bardolino ou visitar o Museu do Vinho na zona rural de Bardolino que está aberto nos meses de verão. A Festa dell'Uva marca o final da temporada de verão, sendo abundante as barracas que servem alimentos e bebidas que culmina com a premiação dos melhores vinhos.
 
 
As oliveiras aparecem em diversas partes do Lago Garda, embora a principal concentração esteja ao sul. Assim como o vinho, as azeitonas e o Azeite Virgem Extra tem seu próprio sistema de classificação e ainda hoje a colheita da azeitona ainda é feita à mão sobre as colinas íngremes. 
 
Há um Museu do Azeite em Cisano, na estrada entre Bardolino e Lazise. As exposições abrangem as fases de produção de azeite, com exemplos de ferramentas e documentos históricos e está aberto maioria dos dias do ano. Foi o primeiro Museu do azeite na Itália.

Os Limões têm sido cultivados em toda costa leste do Lago Garda desde o século 15, mas provavelmente Limone sul Garda tenha tido destaque por suas Casas de limão ou "Sardi" que ainda visíveis. Há um museu interessante da Casa do Limão.
 

O Lago de Garda foi cenário de muitas guerras, principalmente na parte sul do lago. Disputado pelos romanos, às margens do Lago de Garda foi travada a Batalha de Benacus no ano de 269 entre o exército do Imperador romano Claudius II e tribos germânicas. 

Na época de Napoleão e durante o renascimento em 1859 ocorreu a Batalha de Solferino que foi decisiva para a independência e unificação da Itália. O caráter sangrento dessa batalha deu início à criação da Cruz Vermelha Internacional e à Convenção de Genebra. 

Logo depois da batalha o empresário francês Jean-Henri Dunant chegou à Solferino e testemunhou os horrores da batalha da noite de 24 junho 1859. Em um único dia 40.000 soldados estavam feridos ou mortos. Chocado com as consequências terríveis da guerra, pelo sofrimento e falta de assistência aos soldados, Henri Dunand dedicou-se a organizar uma ajuda humanitária motivando voluntários a prestar ajuda sem discriminação. 

De volta a sua casa em Genebra, ele escreveu um livro "Uma Lembrança de Solferino" e enviou cópias do livro para as principais figuras políticas e militares em toda a Europa. Defendendo a formação de uma organização de socorro voluntário, ele conseguiu unir médicos neutros e hospitais de campanha. Todos os países europeus, Brasil, Estados Unidos e México participaram da conferência diplomática oficial. Em 22 de agosto de 1864, a conferência aprovou a primeira Convenção de Genebra.

10 comentários:

  1. Fui onheçer o lago di Garda este ano, fiquei em Riva del Garda e meu marido e eu adoramos o lugar. Queremos voltar lá e conhecer toda região. Obrigada pelo texto, descrições e fotos! Adorei, tem muita informação interessante!
    Com gratidão
    Sabrina

    ResponderExcluir
  2. Lucia e a todos que possam me ajudar!
    Quero conhecer o Lago di Garda em maio próximo e gostaria de saber no minimo, quantos dias levo para conhecer todo o lago. E´ melhor fazer o percurso de carro ou barco, parando em varias cidades?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1dia dá sim, mas P aproveitar melhor? Te aconselho no mínimo 2 dias...com certeza não irá se arrepender.

      Excluir
  3. Cristina, segundo o guia As Melhores Viagens da Italia, cinco dias é o tempo ideal. Em 3 dias se pode conhecer as principais atrações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pela experiência Q tenho 5 dias é muito pouco.

      Excluir
  4. Sabe se é possível de se fazer a volta ao Lago di Garda de bicicleta?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já rodei todo lago de carro. Possível é, mas vai depender do seu tempo e disposição P rodar todo lago...1 dia só tenho quase certeza Q não.

      Excluir
  5. Nossa morei 8 anos em Desenzano del Garda, voltei ao BR a 2 anos e viajei legal agora ouvindo essas histórias. Com certeza um dos lugares mais lindos e encantadores da Itália....super indico a Tiscana Tb.

    ResponderExcluir

Agradeço por sua visita e seus comentários

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.