29 dezembro 2011

Chieti, juntos por um mundo melhor



Chieti, também chamada Teatina na região de Abruzzo, é uma pequena cidade com uma grande história, cultura e arte. Fundada sobre uma colina, é uma das mais antigas cidades da Itália. Foi a capital do antigo povo Marrucini, uma tribo existente no século 3 a.C.

Segundo as lendas, Chieti teria sido fundada em 1181 a.C. por Aquiles, o grande heroi da Mitologia Grega, que teria chamado a cidade de Tétis em homenagem à sua mãe. Leia mais sobre Aquiles em meu blog Mitologia grega - Click aqui






Próxima ao Mar Adriático, Monte Maiella e Gran Sasso, a cidade é dividida em Chieti Alta e Chieti Scalo. À medida que se avança sobre a sinuosa estrada que leva até o topo da colina, descortina-se uma deslumbrante visão panorâmica de toda a região.



Praça Emanuele II


Palácio da Justiça


Igreja San Giustino


Interior da Igreja San Giustino


Porta principal da igreja e Porta Pescara


Chieti Alta é a parte mais antiga da cidade. A Praça Emanuele II no centro histórico é o ponto mais elevado e a principal praça de Chieti onde estão a Igreja de San Giustino, a Torre da Igreja, o Palácio da Justiça e o Palazzo Municipal. A cidade que no passado era cercada por uma muralha com grandes portas, permanece apenas com a Porta Pescara como testemunho da época.








Nas estreitas ruas do centro histórico, carros e pedestres convivem em um pequeno espaço onde há muitas lojas e outros inúmeros monumentos, tais como o Teatro Marrucino, a Igreja de San Domenico e o Museu de Arte Costantino Barbella.



Ipogeo, cidade subterrãnea de Chieti



Do período romano restam poucas evidências como o Teatro Romano e antigas fontes de banhos termais. No Museu Arqueológico há valiosas esculturas e estátuas romanas do século 3 a.C.

Além dos restos da civilização romana, uma cidade inteira foi descoberta no subsolo logo abaixo do centro da atual Chieti. No tempo dos romanos foi criada uma complexa rede de reservatórios e túneis subterãneos para garantir o abastecimento de água na cidade.

Durante a 2a. Guerra Mundial Chieti não foi bombardeada, visto ter sido declarada uma cidade aberta como Roma. A cidade acolheu muitos refugiados das cidades e aldeias próximas e muitos utilizavam esses túneis subterrãneos como abrigo.






Chieti Scalo é a parte nova e mais comercial da cidade conhecida pelos inúmeros universitários que frequentam o campus da universidade e moram nessa parte da cidade. Descendo a colina até o vale, há inúmeros prédios elegantes de construções recentes.

Devido à sua posição na encosta, é uma das cidades da Itália onde há mais ventos. No inverno os ventos trazem a neve e o gelo, mas no verão os ventos amenizam o calor e na primavera trazem a brisa com os cheiros das flores.








Cidade de muitas festas e festivais, todos os anos durante o Natal acontecem na cidade a reconstrução da atmosfera pastoral. A atração principal é um poderoso farol que lança sua luz ao céu sendo visível de vários quilômetros. Essa luz simboliza a estrela de Belém que guiou os magos onde Jesus nasceu.

Em janeiro, durante a Festa de Santo Antonio, uma procissão percorre as estreitas ruas da cidade antiga encenando as tentações sofridas pelo santo. Por ocasião da Festa de San Giustino, vários eventos acontecem na praça e nos bairros da velha cidade, entre eles, a reconstrução histórica com desfile medieval, torneios, apresentações musicais e shows.




Na Festa de Sant'Anna uma pessoa veste um fantoche e durante a execução da dança da Pupa muitos fogos de artificios são queimados partindo do próprio fantoche. A coreografia da dança é realizada de forma a criar um show pirotécnico utilizando elementos cênicos de surpresa.

A Pupa é uma dança muito antiga que remonta aos antigos rituais pagãos de sacrifício humano, ligados às concepções mágico-religiosas que estavam relacionados a aplacar a ira dos deuses, afastar o mal e propiciar a fertilidade da terra. Sendo o fogo utilizado nos rituais de purificação, acredita-se que afasta as influências negativas e traga proteção à comunidade.






Mas é na Páscoa que as tradições de Chieti atraem milhares de turistas. A procissão da Sexta-Feira Santa é uma das mais antigas da Itália e rica em simbolismo. Percebida como uma manifestação cultural que faz parte das tradições da Italia, em breve se tornará um patrimônio do calendário mundial de eventos.

Esta tradição da Páscoa se tornou famosa devido à lenta procissão pelas ruas sinuosas da velha cidade onde objetos simbólicos e imagens desfilam pela cidade seguida por uma orquestra de 100 cantores do coro, violonistas e flaustistas. Faz parte da tradição os "incappucciati", homens com o rosto coberto por um capuz, um traje típico medieval.

A capa é um sinal de humildade e obscuridade, de modo que o rosto não é reconhecido ficando protegido pelo anonimato das boas obras e serve para anular a divisão de classes sociais criando harmonia entre ricos e pobres, educados e ignorantes.

Outro evento tem por objetivo a harmonia entre povos, é a Festa dei popoli que objetiva diminuir a intolerância, o racismo, a xenofobia e os choques entre culturas. O lema da festa é: Juntos por um mundo melhor...

 

23 dezembro 2011

Teramo, terra das "Virtudes"



Embora tenha construções modernas, Teramo é uma antiga cidade fundada na época pré-romana. Localizada na região de Abruzzo, em tempos antigos a cidade era conhecida como Interamnia que significa "entre rios".

Situada na confruência dos rios Vezzole e Tordino, sua origem remota aos séculos 7 e 5 a.C. Os vestígios históricos indicam que a antiga povoação e o comércio foram iniciados pelos antigos etruscos e fenícios.






Túnel Gran Sasso: Devido à difícil comunicação com outros locais no passado, Teramo ficou em isolamento por muito tempo. Foi a construção do túnel de 10 km que passa por baixo do Gran Sasso que permitiu melhor acesso à cidade que tem muitos vales e também belas praias.

Teramo permite estar numa área de montanha e de mar ao mesmo tempo. Situada entre as montanhas mais altas dos Apeninos e o Mar Adriático, pode-se aproveitar a praia ensolarada e logo chegar aos altos picos do Gran Sasso.






Piazza Martiri della Libertà: Localizada no centro histórico no eixo formado pelas principais vias de acesso, a Piazza Martiri della Libertà é o verdadeiro centro da vida da cidade. Fazem parte da praça o Palazzo Vescovile - palácio do bispo, o Palazzo Constantini e o Seminário.

O Palazzo Constantini tem grandes alpendres chamados área para fumantes. É o mais antigo café da cidade. A praça é o point da noite onde acontecem diversos eventos culturais, musicais e esportivos.







Igrejas: Na cidade existem inúmeras igrejas, entre elas a Catedral de San Berardo construída em 1158 no lugar da antiga Aprutiensis Santa Maria que foi destruída por um incêndio. As diversas restaurações a tornou um monumento incomum. A atual catedral é o resultado da união de duas igrejas que compõe a praça.

A Igreja Madonna delle Grazie ou Nossa Senhora das Graças, construída fora da muralha da velha cidade, já passou por várias modificações,. Já foi totalmente demolida e reconstruída, mas sua importância se deve mais aos episódios ocorridos do que sua arquitetura. Contam que Teramo teria se libertado do duque de Andrea Acquaviva quando suas tropas fugiram diante da visão brilhante da Virgem que apareceu vestida de branco.


 
 



Teatro romano: O teatro romano construído no início do século 2 e a Igreja de Teramo são vestígios da época antiga e símbolo de Teramo. O teatro, que tinha capacidade para 3.000 pessoas, depois da queda de Roma teve seus materiais de construção usados em outros projetos.
 
Os restos do teatro comprovam a majestade romana. O Anfiteatro romano era um local urbano, mas não se provou ainda que tenha sido local de martírio de cristãos. Acredita-se que tenha sido utilizado para proteger a cidade na Idade Média.




Bairros inteiramente novos estão surgindo em várias partes da cidade e subúrbios, que contrastam com as antigas construções.  O Delfico é um elegante prédio em 1552. Localizado no Corso San Giorgio, foi a residência privada da histórica família Delfico de Teramo.


 
 
O Castello Della Monica nasceu das ideias de Gennaro Della Monica em 1889, após sua viagem a Torino quando ele admirou os castelos ali existente. Construído originalmente numa posição isolada entre as verdes colinas de San Venâncio, atualmente a urbanização envolveu o castelo.


 


O antigo manicômio foi considerado o maior hospital psiquiátrico do centro sul da Itália. O prédio construído em 1323 teve uma equipe com os melhores médicos psiquiatras e Marco Levi Bianchini foi um dos mais talentosos do campo psiquiátrica italiana e aluno de Freud. A primeira Sociedade Psicanalítica da Itália foi fundada em Teramo em 1925 e na porta do hospital havia uma placa que dizia "Aqui estão os poucos, talvez nem mesmo os reais".






 


Praias: Ao longo da costa existem as mais belas estâncias turísticas de Martinsicuro, Adriatica Alba, Tortoreto, Giulianova, Roseto degli Abruzzi, Pineto e Silvi Marina. Roseto é um lugar muito popular em toda a Itália e no mundo. Alguns a chamam de Lido delle Rose ou Praia das Rosas.

Alba Adriática tem o apelido de "Spiaggia d'argento" ou Praia de prata devido ao do alto padrão de qualidade de sua praia. O Lido de Giulianova é o refúgio de verão de muitos turistas europeus.  




Iguarias de Teramo: Durante o ano há vários festivais em Teramo. Ao final de julho acontece a Sagra de presunto e queijo - o Casereccio - e uma encenação histórica chamada Trionfi. Em Setembro acontece o Magna Teramo, um festival de 3 dias dedicado à descoberta dos sabores e do prazer de comer bem.

O objetivo, além do aspecto cultural e turístico, é apresentar diversas tradições gastronômicas da Itália e principalmente da região de Abruzzo. Além de preservar as tradições locais de cada região, o festival propõe o resgate de antigas tradições além de divulgá-las.

Um dos exemplos, são as típicas iguarias de Teramo: Spaghetti alla chitarra, Mazzarelle, Scrippelle 'mbuse - crepes em caldo de galinha e Timballo, um prato de massa assada parecida com a lasanha.




Virtú di Teramo: Em 01 de maio é época de degustar em Teramo um prato muito especial, conhecido como "Virtù de Teramo". A iguaria que no passado era caseira, hoje é servida de forma primorosa em vários restaurantes sendo celebrada como um patrimônio cultural da cidade. A tradição das Virtudes Teramanas sobreviveu ao longo do tempo, um rito popular que visa a reflexão sobre o presente e o passado.

A sociedade rural que deu origem à tradição não existe mais, mas a mensagem continua válida. Na época em que as virtudes nasceram, era preciso fazer das necessidades, as virtudes. Na atualidade pode-se dizer que as virtudes se tornaram uma necessidade.

Virtudes, é um prato preparado pelas mulheres, uma iguaria complexa que exige muita habilidade na cozinha. Os ingredientes básicos são as sobras da dispensa depois do inverno: grãos, massas de vários tipos e as sobras de porco que as mulheres do passado sabiam reciclar. O prato une todas as sobras com verduras frescas da primavera.

Não existe uma receita única, prevalece apenas a habilidade de transformar uma longa lista de ingredientes e preparar um minestrone, uma sopa suculenta e equilibrada. Este prato tem um gosto de alquimia. De fato, o número 7 se repete insistentemente na receita. São 7 ervas frescas, 7 vegetais frescos, 7 primeiros frutos do jardim, 7 tipos de massas frescas, 7 massas secas e 7 especiarias. Em seguida, são 3 tipos de carne de porco, 3 ovos, 3 punhados de farinha além do queijo, pão e azeite.

É uma receita que mostra a necessidade da economia, da reutilização e da reciclagem dos alimentos. Também é um momento de compartilhamento e inclusão de toda a comunidade. Tradicionalmente as famílias ofereciam as Virtudes aos vizinhos e parentes; esquecer de alguém era motivo de desfeita.

As Virtudes nos ensinam que a comida é algo precioso e que o aproveitamento das sobras podem dar origem a resultados extraordinários. Também nos trazem de volta o significado social da comida, uma reciprocidade que em tempos de crise se torna um elemento econômico. A mensagem das Virtudes é evitar desperdiçar comida, lembrando que muitos outros passam fome pelo mundo...


22 dezembro 2011

Sulmona, a cidade dos confeitos



Situada na região de Abruzzo, Sulmona tem origem muito antiga que se perde nas lendas. Segundo contam, a cidade teria sido fundada por Solimo, o companheiro de Enéias que fugiu quando Tróia foi destruída de acordo com a mitologia grega.


 
 
Os primeiros relatos de Sulmona datam da época romana, tendo a cidade surgido em 43 a.C. Assim como outras cidades do centro da Itália, Sulmona sofreu com as invasões bárbaras além de contínuas devastações e saques. Apenas com a chegada dos Suevi e Frederico II, Sulmona assumiu um papel político de importância no Império Svevo.







Antigas portas: Durante o governo do imperador Frederico II foi construído um aqueduto na cidade, uma das mais importantes construções de Abruzzo. Os históricos prédios indicam a existência de uma cidade considerável, entre eles estão os vestígios de um anfiteatro e de thermas, todos eles localizados fora dos portões da cidade moderna.

A cidade tem inúmeras portas, cada uma indicando a direção de uma cidade próxima. Porta Filiamabili, Porta Japasseri, Porta Bonomini e Porta Romana que indicava a saída para Roma. Era chamada de Pinciara porque dava acesso às olarias que fabricavam tijolos e telhas. Uma de suas curiosidades é uma inscrição latina que até hoje gera polêmica quanto à sua interpretação.







Antigos palácios: Uma de suas antigas entradas da época romana leva em direção a inúmeros palácios históricos, entre eles, Palazzo Tabassi, Palazzo Sanità, Palazzo Sardi e Palazzo Meliorati.

A avenida principal da cidade liga a catedral e praças principais, sendo ladeada por elegantes galerias cobertas, lojas, cafés, palácios e igrejas. A Catedral de San Panfilo Catedral, padroeiro da cidade, foi construída em 1075.





Ermitário de Sant'Onofrio: Incrustrado nas encostas da montanha perto de Sulmona, o Ermitário de Sant'Onofrio preserva a memória de Pedro Angelerio ou Pietro da Morrone, o monge eremita que ali viveu e se tornou papa em 1294.
 
Sob o nome de Celestino V, foi o único papa demissionário da história considerado o Papa da grande rejeição e citado por Dante na Divina Comédia. O complexo é acessível através de um caminho íngreme a 620 metros de altura.






Abadia Morronese: A Abadia de Morronese, um grande complexo religioso fundado por Celestino como uma capela em 1241, foi ampliado e transformado em convento. Cerca de 3 km da cidade, no sopé do Monte Morrone existem algumas ruínas de alvenaria reticulada, que tradicionalmente acredita-se seja a villa de Ovídio. Hoje são mais identificadas como o santuário de Hércules Curinus.






Piazza Garibaldi: A Piazza Garibaldi, conhecida como uma das maiores da Itália, tem ao centro uma fonte construída em 1823. Cercada por muitos prédios históricos como igrejas, monastérios, o aqueduto medieval e o Portal San Francesco della Scarpa. Ao fundo as montanhas do Majella e Morrone formam um cenário natural de rara beleza. Majella é chamada de mãe das montanhas de Abruzzo e seu nome deriva da deusa Maia.







Giostra Cavalleresca: Na praça acontece o mercado duas vezes por semana e também os principais eventos de Sulmona, um deles é o Palio, um festival em estilo medieval com corrida de cavalos conhecida como Giostra Cavalleresca.

O Torneio de Cavalaria Sulmonese, que ocorre entre o final de Julho e a primeira semana de Agosto, remonta a 1484 uma tradição da época dos Suevos. Ao contrário das disputas antigas, as Giostras atuais tem o espírito de competição saudável e reunião de diferentes culturas.




Madonna che Scappa: Outro evento é a cerimônia da Madonna che Scappa, que envolve a procissão da imagem na praça durante a Páscoa. Por volta do meio dia as pessoas se aglomeram na praça para assistir a encenação que se repete todo ano mas sempre se reveste de muita emoção devido ao seu simbolismo.

Uma das fraternidades leva as imagens de São Pedro e São João Evangelista até a Igreja e são recebidos pela Virgem Maria ainda vestida de luto depois da sexta-feira santa. Vestida de Preto, a Virgem sai da igreja e vai até a fonte da praça onde encontra o Cristo ressuscitado.

Nesse momento ela é libertada do manto negro e se torna vestida de verde brilhante. No final da corrida há fogos de artifício ao som da banda, o aplauso do povo e do abraço emocional de todos os membros das fraternidades. Este é o momento mais emocionante da Páscoa que revive a esperança.







Confetti: Famosas em Sulmona e uma das especialidades da confeitaria italiana conhecida como Confetti, são as amêndoas revestidas de açúcar e tradicionalmente usadas para presentear amigos e parentes em casamentos e ocasiões especiais.

O príncipe William e Kate Middleton foram presenteados com os Confetti de Sulmona que serão servidos em seu casamento. Usadas também como decoração, existem duas principais fábricas da cidade e várias lojas vendem esses confeitos. Os artesãos locais criam flores e outros motivos decorativos com os confeitos.






 
Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.