15 agosto 2011

Brescia, la "Leonessa d'Italia"




A histórica cidade de Brescia na região da Lombardia, que atualmente é um centro industrial e comercial, foi na antiguidade uma das mais importantes cidades romanas e também do período medieval conhecida como Brixia. Este fato aparece no esplendor da arquitetura romana. Conhecida popularmente como a "Leonessa d'Italia", dizem que a fundação da cidade está relacionada ao mitológico Hércules depois do cerco de Troia, mas historicamente a cidade foi fundada pelos gauleses.





Brescia está entre Milão/Verona e é o ponto de partida para os lagos de Garda e Iseo. Apesar de não fazer parte de roteiros turisticos, a cidade tem alguns atrativos singulares. As praças são atraentes e a cidade tem mais de 70 fontes públicas. O centro, com suas ruas históricas, oferece a cada ponto uma atração diferente. O Capitolium na Piazza del Foro foi no passado o coração da cidade, mas hoje a Piazza della Loggia é a mais bonita da cidade. A Torre do relógio faz lembrar Veneza, uma influência do período em que Brescia foi dominada pela República de Veneza.







A Praça do Mercado era um lugar de comércio desde o ano 400. Hoje com seus antigos pórticos, permite as compras em um local muito amplo. O Museo di Santa Giulia mostra orgulhosamente a longa e rica história da cidade e incorpora a Igreja de San Salvatore.

Mas a melhor arte de Brescia pode ser admirada no centro, na Pinacoteca Tosio Martinengo. Entre os destaques estão obras de Rafael, Tintoretto e Lorenzo Lotto, assim como muitos artistas locais e manuscritos de Dante. Brescia teve uma importante participação na história da lyra, do violino e outros instrumentos de corda. Antigos documentos atestam que no período de 1585 a 1895 a cidade teve uma magnifíca escola de músicos e professores de instrumentos de corda.



Assim como em várias cidades italianas, quando sentiam necessidade de uma igreja maior, simplesmente construiam outra ao lado. O duomo histórico chamado de Duomo Vecchio ou Rotonda é ofuscado pelo imponente Duomo Nuovo na Praça Paulo VI. Em 1769 a cidade foi devastada quando o Bastion de San Nazaro foi atingido por um raio que fez explodir 90.000 kg de pólvora que estava ali armazenado. O incêndio destruiu uma grande parte da cidade e matou 3.000 pessoas.





Da Via dei Musei, rotas sinuosas levam a uma colina com um parque arborizado. Este foi o local dos primeiros assentamentos da cidade que remonta à idade do Bronze. No cume está o Castello construído sobre fundações romanas, que além da bela vista da cidade é um local de lazer.

No Castello funciona um Museu com coleção de armas da Idade Média, Museu da ferrovia e um observatório astronômico. As colinas de Bréscia e riachos na montanha são locais ideais para a prática de esportes como asa-delta, parapente, canoagem ou rafting além dos parques naturais que permitem trilhas, caminhada e pesca. Entre outras termas, o Vallio Terme está situado entre Brescia e Lago Garda.





Mas o evento mais aguardado em Brescia é o Mille Miglia Storica, uma corrida de carros antigos que acontece em maio definido por Enzo Ferrari como a corrida dos carros mais belos do mundo, além de ser ao mesmo tempo um desfile de carros de valor inestimável que só são vistos nessa ocasião. São mais de 300 carros construídos entre 1920 e 1950.

Divididos em sete períodos históricos, as classificações são de velocidade e precisão ao longo de pistas de corrida, de Brescia a Roma através de Ferrara, Urbino, San Marino, passando pela Toscana até voltar a Brescia, num percurso de 31 horas de corrida. É o único evento deste tipo no mundo. O Museu Mille Miglia está no monastério de Sant'’Eufemia della fonte, uma construção do ano 1008 que além da elegância arquitetônica guarda sua importância histórica.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por sua visita e seus comentários

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.