01 agosto 2011

Trieste, uma antiga colônia romana



Trieste, na região do Friuli Venezia Giulia, está em plena fronteira eslovena na parte norte oriental do Mar do Adriático. No século 2 a.C. Trieste era uma próspera colônia romana chamada de Targeste e ainda conserva um atraente centro histórico com importantes vestígios romanos, como a Basílica Forense do século II, o Templo Capitolino, o Arco de Ricardo e o Teatro Romano.







O porto de Trieste é um dos maiores e mais importantes do Mar Adriático e foi durante muitos anos a única saída do Império Austro-húngaro para o mar. E por sua história marítima, o Museu Cívico do Mar reúne embarcações, maquetes e instrumentos que mostram sua evolução ao longo da história da navegação. O Farol da Vitória é uma imponente obra com quase 70 metros de altura que além de orientar a navegação noturna no Golfo de Trieste também é um monumento em homenagem aos mortos na 1a. Guerra Mundial.

Trieste só se tornou parte definitiva da Itália a partir de 1975. Toda a região de Triestre e da Eslovênia eram de domínio do Império Austro-Hungaro até 1918, que foi dissolvido pela 1a. Guerra Mundial. Entre 1921 a 1924 a Itália anexou Trieste e a região de Istria e o estado facista italiano impôs a italianização da região que tinha italianos, eslovenos, judeus e croatas.

Em 1943 grande parte da região do Friuli foi ocupada por tropas alemãs e quando os alemães se renderam em 1945, a Iugoslávia reclamou a região. Somente em 1975 foram encerradas as disputas entre Iugoslávia e Itália. A região foi dividida em 2 zonas: a Zona A passou a pertencer à Itália e a Zona B ficou sob o domínio da Iugoslávia. Com a decadência do comunismo no Leste Europeu, a Zona B foi redividida entre a Eslovênia e a Croácia.



A Risiera di San Sabba construída em 1913, durante a ocupação nazista foi usada para aprisionar pessoas que posteriormente eram enviadas ao campo de concentração de Auschwitz. Naquela época, a região estava sob o controle do Reich III e era considerada uma zona de operações bélicas. Calcula-se que cerca de 5.000 pessoas tenham morrido ali entre 1943/1945. Atualmente o edifício funciona como Museu Cívico.







A Piazza Unità d'Italia, recentemente revitalizada, é a maior e principal praça da cidade. Também chamada de Piazza Grande, reúne magníficos palácios. O Palazzo del Municipio construído em 1872 com seus grandes arcos, se sobressai pela Torre do relógio e serviu de modelo arquitetônico para palácios em outras cidades da Itália e do exterior. Outro palácio que recebeu o nome de Palazzo Modello, também serviu de modelo para outros palácios.









A Casa Stratti é considerada um monumento de Trieste. Construída em 1839 pelo comerciante grego Nicolo Stratti, desde sua inauguração tem no andar térreo o Caffè degli Specchi que foi frequentado por famosos escritores. Com grandes proporções e beleza, o Palazzo Carciotti serviu de moradia para o grande comerciante grego Demetrio Carciotti. Atualmente é a sede da Capitania dos Portos. O Grand Hotel Duchi d'Aosta já hospedou personalidades ilustres e embora o prédio seja uma homenagem ao Duque de Aosta, hoje ele é chamado de Palazzo Vanoli.





Trieste tem inúmeros museus de história e arte, igrejas e castelos. O mais conhecido é o Castello di Miramare que foi construído pelo Arquiduque da Áustria e Imperador do México, Massimiliano d'Asbrugo, para ser sua residência em 1856. Circundado por um grande parque com uma grande variedade de plantas, muitas delas foram trazidas por Massimiliano durante suas viagens ao redor do mundo como almirante da marinha austríaca, mas ele jamais morou ali.

Massimiliano era cunhado da Imperatriz Sissi da Aústria, mas assim como toda corte desprezava a informalidade de Sissi, porém mantinha um quadro com o retrato dela na parede do castelo. Massimiliano foi assassinado no México e sua esposa ficou louca, sendo confinada em um castelo menor. Depois de concluído, o Castelo de Miramare serviu de moradia para o Duque de Aosta e hoje funciona como Museu da reserva natural da marina.





O Castello di San Giusto é um importante marco da história de Trieste. Construído estrategicamente sobre uma colina, foi concluído por volta do ano 1500. A fortaleza que tinha o objetivo de proteger a cidade, foi utilizada por Napoleão em 1813 e pelos nazistas em 1943 que fizeram do castelo um posto de resistência. Atualmente o castelo está restaurado e se tornou um museu de obras de arte e uma magnifica coleção de armas. Somente uma parte do castelo é aberta à visitação pública e dos terraços se tem um amplo panorama da cidade.



O Castelli di Duino foi de propriedade da familia Della Torre durante quase 420 anos. Construído no século 14, do castelo pode-se desfrutar de um magnífico panorama dos penhascos íngremes com vista para o mar. Durante a ocupação nazista foi usada como posto bélico, tendo em seus jardins um antigo bunker nazista. Desde 2003 é aberto ao público para visitação.







O Castelo di Muggia com vista para o porto é atualmente de propriedade particular e em algumas ocasiões especiais é aberto ao público para eventos culturais e musicais. A primeira parte do castelo foi uma torre construída pelo patriarca de Aquileia Marquardo Muggia em 1374. Mais tarde foram adicionadas paredes e uma restauração em 1735. No século 19 o castelo ficou abandonado até que atuais proprietários o levaram de volta ao esplendor original.

Um comentário:

  1. Gostei muito das suas informações e descrições sobre Trieste. Gosto de história e acho muito sem graça viajar sem conhecer um pouco do que nos espera.

    ResponderExcluir

Agradeço por sua visita e seus comentários

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.