30 dezembro 2016

Venezia Sestiere Santa Croce



Santa Croce é a porta de entrada para os turistas que chegam em Veneza de carro, ônibus turísticos ou nos barcos e navios que atracam na Stazione Maríttima. O bairro herdou o nome da antiga Igreja de Santa Croce, que foi demolida por ordem de Napoleão. Outras antigas construções também foram demolidas para dar lugar a novas construções, por isso é o sestiere que mais se modificou nos últimos anos.


Stazione Marittima de Veneza
estacionamento da cidade

Monotrilho

Construções novas em Santa Croce contrastam com a parte mais antiga de Veneza. Ainda que de forma limitada, é o único ponto onde é possível transitar de carro e estacionar. Também pode-se usar o estacionamento da ilha de Tronchetto, que é ligada ao centro histórico pelo monotrilho que chega até o Piazzale Roma.




Giardini Papadopoli

Apesar dessa região ser pouco frequentada por turistas, há muitas atrações para os amantes das artes, dos perfumes e para quem deseja descobrir cantinhos inéditos. Um desses lugares são os Jardins Papadopoli, um paraíso em estilo francês projetado em 1834 em memória do Conde Papadopoli.

Nos áureos tempos de Veneza, esse local servia para a realização de extravagantes festas. Ponto de encontro da nobreza, depois dos bombardeios da Primeira Guerra Mundial os jardins foram abertos ao público em geral. Os pomares foram preservados, além de terem sido adicionadas plantas exóticas.  




Tre Ponti

Próximo aos jardins encontra-se a Tre Ponti ou Três Pontes, que na verdade trata-se de cinco pontes entrelaçadas que atravessam o Rio Nuovo, Burchielle e Rio degli Squartai. Passagem obrigatória para quem vai seguir por dentro do bairro, a partir dessa ponte pode-se ver outras 13 pontes. Mas é seguindo em direção ao Grande Canal que se descobre muitas relíquias.




Chiesa San Simeone Piccolo

Bem à frente da Estação ferroviária encontra-se a bela Igreja de San Simeone Piccolo. Conta a tradição, que entre os séculos 10/11 foi consagrada a igreja original San Simeone Piccolo, que foi demolida para dar lugar à atual igreja. Construída entre 1718 e 1738 com inspiração na Cúpula do Panteon de Roma, ela é dedicada aos santos Simeão e Judá, tendo sido chamada San Simeone pequeno para distingui-la da Igreja San Simeon Profeta ou San Simeon Grande.

As decorações não se comparam a de outras igrejas em Veneza, mas tem uma interessante forma octogonal com um altar no centro, do qual saem quatro corredores. Seu grande destaque é sua cúpula verde. Com muitos elementos bizantinos e paladianos, é uma das únicas em Veneza onde a missa ainda é celebrada em latim.

Sob a igreja há um subterrâneo interessante com afrescos que retratam cenas das Estações da Cruz e do "Velho Testamento". Dois longos corredores se cruzam em uma sala octogonal. Dizem ter abaixo vinte capelas, muitas ainda inexploradas. Também no subterrâneo estão algumas sepulturas sem identificação, sendo talvez de antigos sacerdotes ou paroquianos.



Chiesa San Simeone Profeta

A uma curta distância de San Simeone Piccolo está a Igreja de San Simeone Profeta, sendo mais conhecida como Igreja de San Simeone Grande. Fundada em 967 pelas famílias Ghisi, Adoldi e Briosi, a modesta construção em madeira foi destruída por incêndio.

Reconstruída em pedra no ano de 1150 e restaurada em 1839, a pequena igreja é simples contendo apenas algumas obras de Tintoretto e Jacopo Palma, além de um monumento de pedra do século 14 dedicado a San Simeone.






Ca'Pesaro

O Ca'Pesaro é um dos palácios mais lindos do Grande Canal, sendo a atual sede de um dos museus mais interessantes da cidade. No primeiro andar funciona a Galleria d’Arte Moderna e no segundo andar o Museo d’Arte Orientale.

Quase todos os palácios de Veneza contém o nome da família que o construiu ou que tenha deixado na construção a sua própria marca. Alguns levam o nome de duas famílias ou tem o nome da família e sua origem. Muitas residências tradicionais adquiriram a denominação de Ca', um diminutivo de Casa de.., como o Ca'Pesaro.

Esse palácio foi construído nos anos de 1680 para ser a residência da família de Longhena Baldassarre natural de Pesaro. Devido à morte do progenitor em 1682, o palácio permaneceu inacabado. Somente em 1710 a obra foi concluída.

Após alguns anos o palácio foi doado ao Venice City Hall pela Duquesa Bevilacqua, com a condição de que servisse para expor obras de artistas emergentes. Apesar da majestosa fachada, na parte interior grande parte das decorações se perderam. Apenas alguns afrescos permanecem.




Palazzo Mocenigo

Bem próximo do Ca'Pesaro encontra-se o Palazzo Mocenigo, onde funciona o Museu di Storia del Tessuto e del Costume ou Museu de história do Tecido e Costumes. Embora o palácio tenha o nome da família Mocenigo, que foi uma das mais famosas e influentes em Veneza, existem poucas informações sobre a origem do palácio.




Quem vê o exterior do Mocenigo não imagina a riqueza que guarda. Passar por suas salas é como voltar no tempo e se ver em meio à sociedade veneziana do passado. As escadarias, salões nobres, móveis, lustres e obras de arte ilustram diversos aspectos da vida, atividades e costumes dos venezianos entre o século 17/18.


 
Palazzo Mocenigo

Ainda com a estrutura do século 17, atualmente o palácio contém um interessante acervo de indumentárias venezianas do passado. As vestimentas ricamente decoradas e ilustram a atmosfera refinada e luxuosa em que os patrícios da nobreza veneziana viviam. Tudo isso devido aos laços comerciais da República de Veneza com o Oriente, que permitia o fácil acesso às essências e plantas medicinais, tendo por isso se tornado grande produtora de perfumes, sabonetes e artigos de higiene.



Palazzo Mocenigo

Em cinco salas pode-se ver antigos instrumentos de fabricação perfumista. Um percurso conta toda a história do perfume veneziano e traz uma mostra de frascos antigos de perfumes; objetos que parecem verdadeiras obras de arte. Na loja do museu é possível comprar os perfumes de toda a coleção da perfumaria The Merchant of Venice, uma marca veneziana que produz essências maravilhosas cheias de história e com frascos caprichados.




Palazzo Corner della Regina / Fondazione Prada

Nessa região também encontra-se a Fondazione Prada, que tem sede no belo palácio em estilo barroco, o Ca'Corner della Regina. Situado às margens do Grande Canal, na fachada destacam-se as máscaras grotescas que servem como bicas para escoar a água de chuva. O palácio foi projetado em 1720 e construído sobre um antigo palácio onde nasceu em 1454 Caterina Cornaro - rainha de Chipre, Jerusalém e Armênia. Por esse motivo o palácio manteve o nome de Corner della Regina.



 

 


Palazzo Soranzo Cappello

Entre as centenas de palácios existentes em Veneza, algum se destacam por possuírem alguns detalhes diferentes. No Palazzo Soranzo Cappello funciona a Superintendência de conservação de bens arquitetônicos tanto para Venezia, quanto para Belluno, Padova e Treviso.

Situado próximo à Igreja San Simeone, o palácio foi construído no século 16 para servir de residência para a família Soranzo. Ao longo dos séculos passou por vários proprietários, entre eles a família Cappello. Chama atenção os dois obeliscos no teto, mas seu principal atrativo é o belo jardim, que tem uma atmosfera romântica. Ao fundo há um pequeno templo com colunas romanas.



Palazzo Belloni Battagia

Construído em meados do século 17 para ser a moradia da família Belloni, o Palazzo Belloni Battaglia foi ricamente trabalhado usando mármore e obeliscos na fachada. Ao ser concluído, adquiriu muitas características diferentes dos demais existentes no Grande Canal. Seu interior contém belos afrescos e um oratório privativo com belas decorações, sendo atualmente sede de uma repartição pública.



Fondaco dei Turchi

Um palácio de grande destaque no Grande Canal é o Fondaco dei Turchi ou Sindicato dos Turcos, que serviu no passado como entreposto onde os comerciantes muçulmanos descarregavam as suas mercadorias.

Com sua imponente fachada, o prédio foi construído no século 13 para servir de residência da família Pesaro. As torres de canto são semelhantes às estruturas defensivas que faziam parte dos palácios da família medieval.

Em 1381 o edifício foi dado a Nicolò d'Este, Senhor de Ferrara. Depois de passar por vários proprietários, o Fontego foi dado para os comerciantes turcos da cidade. Em 1865 o palácio foi restaurado. Atualmente é a sede do Museu de História Natural, que contém ricas coleções de importantes descobertas e uma biblioteca com 40.000 volumes.




Chiesa San Stae

Bem próximo do Fondaco dei turchi encontra-se a Igreja dedicada a San Eustacchio e Mártires, sendo mais conhecida como Igreja San Stae. Com sua suntuosa fachada barroca, ricamente trabalhada por Domenico Rossi em 1709, já foi algumas vezes local de exposição para Bienal de Artes. 

O interior é finamente decorado ao estilo rococó e com obras de arte de valor inestimável. O presbitério é decorado com telas menores, porém belas e importantes. Não há muitas informações da sua origem, mas sabe-se que que ali já existia uma igreja em 1127. Há uma lápide que indica o mausoléu de alguém da família Mocenigo, da qual foram eleitos sete doges.



Chiesa San Giovanni Battista Decollato

Conhecida popularmente apenas como San Zan Degolà, essa igreja dedicada a São João Batista Decapitado situa-se num dos pontos mais silenciosos da cidade. Fundada no século 8, a igreja foi construída por doações da nobre família Venier.

Trata-se de uma igreja muito antiga com um interior muito simples, cujos documentos tem datas do ano de 1007. Sendo o único exemplar da arte veneto-bizantina, a igreja foi restaurada em diversas épocas. Durante a era napoleônica a igreja foi usada como armazém, o que causou a deterioração das paredes, piso e colunas.

Somente em 1945 o trabalho extensivo da restauração foi empreendido para retornar a igreja à parecido com a sua aparência original, época em que vários afrescos foram descobertos. Por quase 20 anos essa igreja permaneceu fechada, sendo atualmente propriedade da comunidade ortodoxa russa.

Lendas afirmam que a escultura da cabeça de João Batista foi feita a partir dos restos mortais de Biagio Cargnio, um açougueiro que foi decapitado e esquartejado como punição por colocar a carne de crianças assassinadas em suas salsichas e ensopados. Até o século passado a escultura sempre era manchada com lama, uma evidência da implacável memória dos venezianos.




Campo San Giacomo dell'Orio

Atrás do Museu Cívico encontra-se uma simpática pracinha chamada Campo San Giacomo dell'Orio, que tem no centro a Igreja de San Giacomo dell´Orio. Construída no século 13, algumas das colunas dentro da igreja foram trazidas pelos venezianos durante a quarta Cruzada.

Esse local tranquilo guarda a verdadeira identidade veneziana. As árvores convidam para um descanso e para apreciar o bucolismo do lugar, que se renova a cada momento. Muito frequentada pelos moradores per um "dolce far niente", nessa praça as crianças vão brincar no fim da tarde.

Em volta existem agradáveis restaurantes e bares onde se pode degustar um cálice de vinho. Nas épocas mais quentes do quente, a pracinha se transforma numa pista de dança a céu aberto ao som de boleros e tango argentino. Durante a festa de San Giacomo, a pracinha se enche de mesas, onde muitos vão degustar os pratos típicos da laguna.





Chiesa San Nicola Tolentino

Próximo à Piazzale Roma encontra-se a bela Igreja de San Nicola Tolentino, mais conhecida como Igreja dei Tolentini. Com bela fachada decorada com colunas coríntias, essa igreja foi construída originalmente em 1591, mas a fachada só foi concluída em 1706.

Com um lindíssimo interior decorado com pinturas do século 17, é também a sede oficial da Orquestra Mosaico Barroco. Embora seja um pequeno tesouro da cidade, muitos turistas nem sabem de sua existência.

O órgão de tubos construído em 1754 permanece intacto no coro de madeira, adornado por dois lindos querubins em madeira dourada nas laterais. Na igreja estão os mausoléus dos doges da família Canto e do patriarca Gianfrancesco Morosini. No mosteiro anexo à igreja funciona a Faculdade de Arquitetura Ca'Foscari.



Chiesa Sant'Andrea dela Zirada

Chamada apenas "Della Zirada", que em dialeto veneziano quer dizer "curvatura", de acordo com a tradição essa modesta igreja foi fundada em 1329 como o oratório. O convento e a igreja foram reconstruídos em 1475 e restaurados no século 17.

Embora o exterior seja simples, ela tem um luxuoso interior barroco com decoração de estuque. Porém quando Napoleão chegou em Veneza ordenou o fechamento da igreja. Situada ao lado do monotrilho, atualmente serve como estúdio do escultor Gianni Aricò.




Campo Santa Maria Mater Domini

Essa é uma praça agradável para uma caminhada ou para se sentar e apreciar o tempo que aqui parece passar calmamente. Diz a tradição que a atual Igreja de Santa Maria Mater domini escondida em um beco dessa praça foi construída em 1512 sobre uma antiga igreja dedicada a Santa Cristina que foi demolida. Em seu interior estão algumas obras de Tintoretto.


Santissimo nome di Gesú

Essa pequena foi erguida em 1815, época em que várias construções eclesiásticas estavam sendo demolidas. Situada próxima ao Piazzale Roma, atualmente está sendo usada pela Igreja Católica Grega da Ucrânia. Apesar de ser pequena, em seu interior há duas grandes colunas que sustentam a cúpula.



Santa Maria Maggiore

A Igreja de Santa Maria Maggiore foi construída entre 1497/1504, tendo um convento anexo. Em 1805 o local foi usado como quartel, sendo destinado para exercício militar e estábulo para os cavalos. Poucos anos depois houve um incêndio que destruiu o convento e a igreja passou a ser usada como um armazém de uma fábrica de tabaco. Ainda que tenha sido restaurada, ela permanece esquecida...








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço por sua visita e seus comentários

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.