26 novembro 2010

Siena, a cidade do Palio


Quem chega à noite em Siena, na região da Toscana, atravessa suas majestosas muralhas e percorre suas ruas antigas e tortuosas cheias de mistérios e de encanto até a Piazza del Campo, centro da história da cidade através dos séculos, encontra a mais linda jóia da arte medieval italiana na riqueza de seus mármores e mosaicos, tendo a sensação de ter penetrado num mundo de sonhos.


No silêncio da noite, a cidade parece que esconde o que tem de atual e de moderno. Paira no ambiente apenas o perfume
medieval da qual ela foi um glorioso expoente, hoje é seu fiel testemunho. Siena foi na Idade Média um dos centros mais florescentes da Itália, pelo valor militar e pelos gênios artísticos nascidos nessa terra. Mas foi também pelo espírito católico que deram à Igreja Santa Catarina e São Bernardino.

Teve expoência na civilização cristã, mas hoje a cidade é
apenas um retrato do que foi. Contudo, duas vezes por ano Siena revive; os habitantes retomam os trajes antigos e as corporações de artesãos ressurgem. Bandeiras medievais são hasteadas, ouvem-se trombetas e tambores de guerra e, como que saído por encanto de alguma iluminura, um esplêndido cortejo entra na Piazza del Campo ante os olhos maravilhados dos espectadores. É a Festa do Pálio, realizada tradicionalmente desde o século 14 quando Siena volta ao passado, oferecendo uma visão encantadora da alma guerreira, artística e religiosa da Idade Média.




A Piazza del Campo é o coração da cidade, rodeada de dois palácios e de velhas mansões. Por ocasião da corrida
demarca-se uma larga pista entre os edifícios e o centro da praça, que exige grande perícia dos jóqueis. Mas o Pálio não é apenas uma festa esportiva e guerreira, é também uma comemoração religiosa. A primeira corrida se realiza no dia 2 de julho em honra da Madonna di Provenzano e a segunda a 16 de agosto, em louvor de Nossa Senhora da Assunção.




Esta especial devoção com a Mãe de Deus, a quem elegeram como Padroeira da cidade, tem origens muito antigas. Nos tempos do apogeu militar, partindo para a guerra, eles ofereciam a Nossa Senhora as chaves das nove portas de Siena para alcançarem sua proteção no combate. Em agradecimento pelas vitórias conquistadas, erguiam capelas e oratórios.

Na véspera da batalha de Monteaperti dedicaram a cidade a Nossa Senhora da Assunção - Madonna dell'Assunta - e lhe
consagraram a catedral. Nos fins do século 16, quando uma terrível peste assolou a região, o povo mais uma vez voltou-se para sua protetora mas não pôde entrar na catedral para oferecer seus votos, porque dentro havia uma disputa terrível entre os cônegos e as portas estavam fechadas. Acorreram a Nossa Senhora de Provenzano, cuja imagem ficava entre duas janelas de uma humilde morada na Via dei Provenzani di Sotto e que já operara milagres. A Virgem atendeu às suas preces. Desde então a solenidade de Nossa Senhora de Provenzano se tornou a principal festa religiosa de Siena.



Embora o espírito religioso atual é bem menos intenso que o de antigamente, o Pálio é realizado em louvor de Nossa Senhora. O único prêmio ao vencedor da corrida é um estandarte - Palio - pintado a mão, com a imagem da Madonna de Provenzano ou da Assunção. Por isso a corrida se chama Palio e também a esse evento está relacionado o nome do modelo Palio da Fiat. A festa tem lindas cerimônias e símbolos religiosos e, muitas outras peculiares a cada "contrada", nome que se dá aos 23 grupos que participam da corrida representando os bairros de Siena.

Siena é uma das cidades mais velhas do mundo. Foi na Antiguidade um centro etrusco, depois gaulês e por fim romano. Nos primórdios da Idade Média era constituída por três povoações em redor de outros tantos castelos: Castel Vecchio, Castel di Val di Montone, agora convento dos Servos de Maria e Castellare de Camollia, já desaparecido. Em torno desses pequenos burgos os povoados cresceram até se encontrarem em torno da Piazza del Campo que se tornou o centro de Siena, onde está o Palazzo Pubblico com a torre Mangia de 102 metros de altura.



Seu sino marcava a vida da cidade, soando alegre nas festas, fúnebre nas calamidades e vibrante ao chamar para a guerra. Sucederam-se séculos de glória militar e de florescimento artístico. A peste negra de 1348 matou 65.000 dos seus 100.000 habitantes e a ação dos autocratas, dos Viscontis aos Médicis interromperam o desenvolvimento urbano e cultural da cidade.


Atualmente Siena tem aspecto semelhante ao dos séculos 13 e 14, sendo famosa pelas faculdades de Direito e Medicina, uma das mais prestigiadas universidades italianas fundada em 1240.



video

2 comentários:

  1. bom teu post, tambem mencionei essa cidade no meu blog, eu moro aqui em Siena e é fascinante.

    ResponderExcluir
  2. Olá Bernardo: Agradeço sua visita ao blog. Sou de descendência italiana e adoro a Itália, onde estive visitando apenas alguns lugares. A Itália é fascinante, tem uma cultura riquissima e fascinante. Conto com seu apoio e sugestões para o blog, pois este blog é meu, é seu e para todos que queiram participar. Abraços, Lucia

    ResponderExcluir

Agradeço por sua visita e seus comentários

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.