10 setembro 2011

Sicilia, terra de cores e sabores



A Sicilia é a maior ilha do Mar Mediterrâneo, uma terra cheia de belezas, mistérios e monumentos históricos de importância internacional. Com um exótico mix de arquitetura e outras influências normandas, espanholas, mouras, africanas, romanas e gregas, na Sicilia estão as cidades mais lindas do antigo mundo grego. Visitar o Vale do Templo de Agrigento ou ir a uma apresentação no enorme teatro grego de Siracusa no verão, é uma experiência de viagem ao passado. Percorrer a Sicília, é conhecer muitas tradições e culturas, um compêndio das maiores civilizações.


Templo da Concórdia em Agrigento

Conquistada e abandonada, ocupada e disputada, esta é uma região que mistura todos os povos que estiveram por ali e que imprimiram suas marcas. Há quem diga que a Sicília é um museu ao ar livre, como as cidades de Agrigento e Palermo. São quase 270 sítios arqueológicos, entre conjuntos de templos, anfiteatros gregos, fortalezas, torres, igrejas, palácios, um pouco de cada um de todos os povos e culturas que passaram pela ilha ao longo de séculos. Além disso, o mar cristalino de águas mornas e límpidas são irresistíveis.





A ensolarada ilha com sua rica natureza tem um litoral esplendido e uma culinária diversificada, refinada, saborosa, de sabores antigos e aromas distintos. Os sabores da Sicilia são solares, fruto da fusão de alcaparras, que estão por toda a parte e que a gente pode colher do pé, com manjericão, alho grego, berinjelas redondas, pistaches, jasmim, limão, pimentas e tomates adocicados curtidos no sol.

As frutas secas fantásticas de mil cores, as famosas cassatas caseiras originadas dos costumes árabes, os molhos all'arrabbiata com pimenta e sabores ativos, são especialidades encontradas só nessa região. O peixe-espada com gotinhas de limão siciliano é a estrela da Sicilia. Muito apreciada em diversas partes da Itália, a laranja sanguinello dizem ter surgido em Siracusa na Sicilia.



A quinta-essência do Mediterrâneo é também uma cultura complexa, representada pela literatura que fala de suas belezas e tragédias. Cada estilo e tendência é representada de uma forma diferente em cada uma de suas cidades. A Sicília é informal, alegre, colorida, religiosa e da cozinha perfumada pelos seus temperos.

A bandeira da Sicilia foi originalmente adotada em 1282 após as Vésperas Sicilianas, uma revolta contra o reino de Carlos I que havia tomado o controle da ilha. É caracterizada pelo tríscele, por vezes erroneamente denominado trinacria. Ao centro, a cabeça da Medusa e três espigas de trigo. As três pernas dobradas supostamente representam boa sorte e prosperidade.

Algumas vezes mais pobre e bem diferente de outras regiões, o transito é caótico em algumas partes, onde ninguém obedece a coisa alguma, a começar pelos sinais de transito. Diz um transeunte italiano, sorridente e bem humorado: - Signora, o sinal verde é para seguir em frente; o vermelho não passa de uma sugestão para parar e o amarelo é só para alegrar, capisce?...



O pane com la milza ou pane ca meusa é muito tradicional na Sicilia. Milza significa baço e há quem junte ainda pulmão de vitela, tudo juntinho dentro do pão. Panelle e crocchè são dois tipos de pasteis, com pão e limão.



O canollo é um pequeno tubo de massa frita recheada com um creme de queijo ricotta doce, muito doce.




Arancine é tipo um bolinho salgado feito de arroz e recheado com carne picada, ervilhas, queijo mozzarella, molho de tomate ou outros e a Cassata italiana são especialidades da Sicilia.

2 comentários:

  1. *Lúcia, não gostei de saber que o trânsito lá

    é CAÓTICO !!! (kkkkkkkkkkkk). No mais, parece

    ser uma ilha lindíssima e ... divertida !!! :))

    ResponderExcluir

Agradeço por sua visita e seus comentários

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.