04 janeiro 2012

Castel del Monte, a cidade encantada das bruxas



 

Castel del Monte é uma pequena aldeia da região de Abruzzo a 1.300 metros de altitude, que faz parte do famoso Parque Nacional do Gran Sasso e Monti della Laga. Considerado um dos locais mais bonitos da Itália, Castel del Monte já serviu de cenário para produções cinematográficas internacionais devido à sua atmosfera medieval, suas ruas estreitas e túneis subterrãneos cavados na rocha, que permanecem imunes ao avanço da modernidade.


 











Assim como muitas aldeias de Abruzzo, Castel del Monte está situada no topo de uma montanha. Guardando mais de 1.000 anos de história, lendas e tradições, Castel del Monte foi uma das primeiras aldeias a surgir nessa área. O primeiro documento em que aparece o nome da aldeia remonta a 1223 mas há vestígios históricos mostrando que a região já era habitada no século 11 a.C. e pelos romanos em 4 a.C.








Túneis de pedra: Durante a Idade Média, para escapar dos perigos de ataques e invasões, as pessoas se refugiavam na parte alta chamada de Abrigo. Uma parte das muralhas ainda é visível. A Torre do Sino, que é a parte mais alta, era a torre de vigia o que permitia maior controle da planície.

A aldeia inteira foi construída sobre uma rocha sendo atravessada por túneis subterrâneos, chamados de Castellani. Trata-se de arcos e túneis que permitem andar na cidade de modo seguro e protegido do frio. Hoje, esses túneis de pedra são um dos seus atrativos turísticos.


 






Igrejas: Com inúmeras igrejas que ainda mantém sua estrutura original, a Igreja de S. Donato - o padroeiro da cidade - ainda mantém seu aspecto medieval. Uma tradição antiga que sobrevive há séculos é a festa de celebração da Madonna del Suffraggio em 08 de setembro, também chamada Madonna dei Pastori.

A procissão noturna, que percorre da Igreja de San Marco e termina na Igreja de Nossa Senhora do Suffrággio, era um ritual dos antigos pastores que iam pedir a proteção e graça antes de levar suas ovelhas pelas estradas. A Igreja com seus baixo-relevos, pinturas e estátuas em madeira, é um verdadeiro tesouro.







Tradições: O tempo parece parar quando se contempla as tradições que remontam a tempos muito antigos. O trepidar da lareira e o cheiro de uma autêntica minestra italiana numa noite de inverno é capaz de nos levar a imaginar os tempos através dos séculos.

Os sabores ainda são mantidos em Castel del Monte como uma expressão única do passado, em que a sobrevivência na região dependia de um trabalho pesado ao longo dos caminhos que ligavam Abruzzo à Puglia.

Terra de mistérios, mitos, lendas e superstições, os velhos contos são tão antigos quanto o medo do homem diante do incompreensível. Essa região, que por muito tempo permaneceu no isolamento devido às suas condições geográficas, não perdeu suas tradições mesmo diante do surgimento de superestradas e da globalização, principalmente na sua rica e criativa culinária.
 
 


 




Festival Arti e Mestieri: Conserva-se ainda a velha receita de um dos produtos típicos do local, como do Pecorino Canestrato, um queijo duro típico feito com leite de ovelha. Hoje o produto é reconhecido com DOC (Denominação de Origem Controlada).

Nos prazeres da boa cozinha, entre muitas iguarias estão a Chiaranese, uma iguaria feita com carne de ovelha cozida lentamente em grande panelas com muitos temperos e o Marcetto, um creme de queijo pecorino.

 
Em 12 de agosto de cada ano as estreitas ruas da aldeia revivem as antigas tradições ligadas à vida rural e pastoral. O "Arti e Mestieri" è uma festa de celebração do passado e seus costumes.

Na verdade, a cidade tem inúmeros instrumentos antigos relacionados ao pastoreio e à agricultura como se fosse vários pequenos museus do cotidiano medieval. O Museu da Lã de Carneiros mostra a importância que este material teve no passado.




 
Notte dele Streghe ou Noite das Bruxas: Segundo um narrador de histórias nascido em Castel del Monte, muitos moradores da cidade acreditavam em bruxas e alguns ainda acreditam. Quando uma criança estava doente e o médico não conseguia diagnosticar a doença, dizia-se que as bruxas teriam entrado na casa pelo buraco da fechadura ou pelo telhado. Os parentes rondavam pelas ruas à noite em total silêncio com a pessoa nos braços ou queimavam a roupa da pessoa doente em uma encruzilhada. Às vezes isso coincidia com a cura da pessoa, o que reforçava a crença nas bruxas.





 
Atualmente, uma das manifestações culturais em Castel del Monte é a encantadora Noite da Bruxas que acontece sempre a 17 de agosto de cada ano, quando as pessoas usam roupas, chapéus e fantasias de bruxas. Desde a manhã no Mercado das Bruxas há degustação de produtos locais e espetáculos de entretenimento até a noite.

Durante o evento, que envolve toda a comunidade, as estreitas ruas e as pequenas praças se tornam cenários para histórias e shows narrativos de um drama popular no dialeto local conhecido como "Castellano", que redescobre as antigas crenças e rituais associados às bruxas.




5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente maravilhoso o seu trabalho. Muita cultura e informação, estudo e dedicação ao evidenciar uma gama tão seleta e conteudo tão precioso. Parabéns menina, por me proporcionar esse deleite de ler palavras e contexto tão divinamente bem respaldados na história. Excelente!!! Bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida amiga: Obrigado por suas palavras tão simpáticas, por seu incentivo e por seu apoio. Esses carinhos fazem bem ao coração. Abraço, Lucia

      Excluir
  3. parabéns pelo lindo trabalho de pesquisa.

    ResponderExcluir
  4. Conheço o castel del monte e acredito no poder sobrenatural que há nele 😏

    ResponderExcluir

Agradeço por sua visita e seus comentários

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.