08 março 2012

Piacenza, a cidade dos palácios



Piacenza tem seu nome derivado do verbo italiano Piacere que remete a um local agradável para viver. Rica em história, cultura e tradições, com muitos palácios medievais, alguns caracterizados por magníficos jardins, Piacenza é uma das mais famosas cidades italianas no mundo da arte. Na antiguidade foi um ponto de passagem muito disputado por ser um ponto estratégico entre a Emilia Romagna e o norte da Itália.







A Piazza Cavalli marca o coração da cidade, um símbolo de Piacenza onde são realizados os principais eventos. Nela estão os mais significativos monumentos tal como o Palácio Gótico ladeado por dois monumentos equestres que representam Alessandro Farnese, Duque de Parma e Piacenza em 1586, e seu filho Ranuccio Farnese que lhe sucedeu.

O Palazzo Gótico, também chamado Comunale, foi construído em 1281 como a sede do governo da cidade. Atualmente seu salão principal é usado para reuniões, palestras e conferências. Ao lado estão a Igreja de São Francisco construída no século 12 e o Palazzo dei Mercanti.





Do outro lado da praça, o Palácio do Governador tem na fachada um relógio e ao lado um relógio de sol e um calendário perpétuo. A partir da Piazza Cavalli inicia-se a rua com as lojas mais elegantes da cidade e belos edifícios do século 17.

A Via XX Settembre, conhecida por suas varandas de ferro forjado, liga a Piazza Cavalli à Piazza del Duomo. Nos tempos medievais era um costume ter uma estrada reta ligando o símbolo do poder político com o religioso.

Na época medieval era chamada Caminho do Ouro devido aos inúmeros ourives. Foi rebatizada de Via XX Settembre em memória popular da conquista de Roma pelo rei da Itália em 1870.





Na Piazza del Duomo tem destaque a Catedral de Santa Maria Assunta junto ao Palácio Episcopal. Do outro lado da praça através dos belos pórticos estão diversas lojas, cafés, sorveterias e pizzarias.

Totalmente arborizada, a praça é um local de descanso nos vários bancos espalhados pela praça. No meio da praça a imagem da Imaculada se ergue no alto de uma coluna de quase 10 metros de altura. É um dos lugares mais tranquilos do centro histórico.







Na antiguidade, o Imperador Dioclesiano enviou uma tropa com 6666 homens - um número místico - para combater a invasão dos gauleses sob as ordens de um general. A tropa foi recrutada em uma área onde haviam muitos cristãos, formando a Legião de Tebas. Porém a tropa descobriu as reais intenções do imperador que era impedir a expansão do cristianismo na região de Piacenza e se recusou a massacrar os cristãos, por isso, toda a tropa foi dizimada.

Muitos romanos convertidos se tornaram mártires da Igreja Católica tal qual o centurião romano Antonino, que convertido ao catolicismo foi decapitado. Antonino foi declarado santo e tornou-se o padroeiro da cidade. Na Basílica de Sant'Antonino, que tem como destaque sua torre octognal, estão as relíquias do santo martirizado no Val Trebbia.

Outras igrejas se espalham ao redor de Piacenza, como a Basílica de San Savino de 903, San Sisto, San Sepulcro, Sant'Agostino. No local da Igreja de Santa Maria Campagna, no Largo das Cruzadas ou Piazzale delle Crociate, foi conclamado o primeiro concílio geral e a Primeira Cruzada em 1095. Como a cidade não tinha acomodações suficientes para mais de 30.000 pessoas, as margens do Rio Pó se transformaram em um imenso acampamento.





A cidade foi parte dos Estados Pontifícios e depois governada pela Família Farnese. Considerada como a "Cidade dos Palácios", uma das mais importantes construções de Piacenza é o Palazzo Farnese que foi construído em 1568 por Ottavio Farnese e sua esposa Margaret da Áustria. Atualmente no palácio funciona o Museu Cívico e onde são realizados vários eventos culturais.

A região foi habitada pelos etruscos antes de 218 a.C. e no Museu de Arqueologia do Palazzo Farnese está a relíquia mais famosa da civilização pré-romana, é o Fígado de Bronze de Piacenza que contém escrito em sua superfície as várias partes do fígado e seu significado. Descoberto em 1877 ao sul de Piacenza, tem sido associado à prática de adivinhação.







São diversos palácios tal como a sede atual do Tribunal local que funciona no Palazzo Landi, uma construção da Idade Média. O Palácio Scotti onde funciona o Museu de História Natural. O Palácio Mandelli que é a sede do Banco da Italia e outros: Palácio Mulazzani, Palazzo Costa, Palazzo Rota Pisaroni, Palazzo Somaglia etc.

Ao longo das antigas muralhas, um fabuloso jardim sombreado é o local em meio ao verde da Cidade Velha para caminhar ou descansar nos bancos espalhados na área. O Facsal é essencialmente o caminho de uma parte do que resta das antigas muralhas que se inicia no Corso Emanuele II. A Porta Borgheto é um antigo acesso à cidade.



Piacenza é uma cidade plana, o que permite a locomoção em bicicleta sem muito esforço. Assim a maioria das pessoas prefere usar bicicleta para se locomover pela cidade. Os turistas também podem alugar uma bike por meio do pagamento de uma pequena taxa. E por ter muitas bicicletas, há várias ciclovias na cidade e regulamento próprio para transito em determinadas ruas. Nas ruas do centro histórico há mais bicicletas do que carros.

Situada na margem direita do Pó, essa proximidade ao rio caracteriza o clima de Piacenza com um alto teor de umidade. No inverno a cidade se cobre de neblina e no verão o calor é abafado e insuportável. Nos dias mais quentes o melhor refúgio são as margens do Rio Trebbia ou nos pequenos vilarejos das colinas que mantém deliciosas tradições culinárias.





Há uma variedade de roteiros de degustação disponível descobrindo adegas e quintas nos quais é possível degustar excelentes vinhos e especialidades típicas. As colinas que cercam Piacenza são conhecidas por suas boas vinhas e o vinho produzido é qualificado com DOC (Denominazione di Origine Controllata), chamados de Colli Piacentini: Gutturnio tinto, Bonarda tinto e espumante, Ortrugo branco seco e o Malvasia branco doce.

Os prazeres da mesa é algo a descobrir nas inúmeras trattorias e restaurantes com pratos típicos e carnes curadas. A província de Piacenza é a única na Itália que possui três carnes curadas com Denominação de Origem Protegida: a Pancetta Piacentina, Coppa Piacentina e o Salame Piacentino feito de carne temperada e aromatizada com especiarias e vinho. Fabricados artesanalmente e de forma tradicional, são preservados os sabores que se distinguem pela sua qualidade.

As principais e mais populares especialidades são a polenta e os risotos, embora haja pratos típicos que utilizam a massa. Há também bons queijos, como o Grana Padano, Gorgonzola e Robiola. Entre as especialidades culinárias, a Mostarda di Frutta: uma mistura de frutas conservadas em xarope açucarado e fortemente aromatizado com mostarda.

3 comentários:

  1. Da próxima vez que vier a Piacenza apareça para tomar um café.

    :)

    ResponderExcluir
  2. Eu nasci nessa cidade maravilhosa, morei lá até meus 7 anos depois vim para o meu Brasil, não lembro de nada só sei que amor muito a Itália e o Brasil.
    Quero ir visitar minha terra natal logo.
    Parabéns pela descrição e postagem, muito obrigado.
    ass: Agostinnho

    ResponderExcluir

Agradeço por sua visita e seus comentários

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.