09 agosto 2013

Sperlonga, o paraíso do Mar Tirreno


O litoral da região do Lázio tem encantadoras aldeias, e uma delas é Sperlonga. Empoleirada numa colina e com uma maravilhosa vista para o mar, por muito tempo a aldeia permaneceu desconhecida pelos turistas. 



Em 1957 foi construído um pequeno trecho de estrada margeando o litoral entre Roma e Nápoles, o que tornou Sperlonga  um destino predileto para turistas que lotam as praias no verão. 





Na antiguidade havia muitos ataques de piratas na região, sendo o mais famoso o ataque conduzido por Khayr al-Din, que em 1534 destruiu a antiga Villa Tiberius na orla marítima. Da vila só restaram ruínas, que se tornou uma atração turística de Sperlonga.




Chamado de Barbarossa devido à longa barba ruiva que usava, Khayr al-Din era o pirata mais temido do Mar Mediterrâneo. Ele tinha a fama de saquear as cidades e ser cruel com a população, por isso Sperlonga foi construída como uma fortaleza medieval sobre a colina. 






A antiga cidade, com suas casas pintadas de branco, tem a aparência de algumas ilhas gregas. Com ruas estreitas, becos com longas escadarias e casas conectadas por pontes, essa parte só é alcançada a partir de muitos degraus. Mas o esforço compensa, pois dali se tem uma magnifica vista sobre toda a baia além de charmosos bares e restaurantes. 





No século 11 Sperlonga era um castelo cercado por um muro, onde haviam duas entradas nos tempos medievais: a Portella ou Porta Carrese e a Porta Marina que era o principal acesso de entrada na aldeia.



O Palácio Sabella é o mais antigo e mais importante monumento da vila, tendo sido a residência temporária do antipapa Clemente VII que se refugiou em Sperlonga em 1379 após ser derrotado em Agnani.


praia do norte / praia do sul

Praias: A praia de Sperlonga está dividida a partir do penhasco onde está situada a torre Truglia edificada em 1532. A praia em direção ao norte tem a faixa de areia mais estreita, porém a praia se estende por um longo caminho de 18 km até a próxima cidade. Em direção ao sul, a faixa de areia é mais larga, porém menos extensa e finaliza na caverna chamada Grotta di Tiberius.  


Praia em direção ao norte

Praia em direção ao sul

Ao longo da praia existem diversos hotéis, muitas residências de verão e a área de camping, que ficam lotados na alta temporada. Assim como maioria das praias italianas, os clubes demarcam sua própria área na praia onde colocam guarda-sóis, cadeiras de praia e disponibilizam garçons. É exigida uma taxa para usar a praia, no entanto pode-se usufruir de comodidades e limpeza. As águas do mar são incrivelmente limpas e cristalinas.    


A vida noturna na cidade está concentrada na praça principal do litoral e na estradinha da velha cidade onde há muitos restaurantes e clubes noturnos. Muitos restaurantes servem frutos do mar, frutas e vegetais frescos provenientes de Fondi. Devido à proximidade de Nápoles, também pode-se degustar a legítima pizza napolitana.


Via Flacca: Seguindo a rodovia Via Flacca, que liga Sperlonga a Gaeta, ao longo dos penhascos acima do mar há pontes e extensos túneis. Na maioria das falésias ainda é possível encontrar vestígios da antiga Via romana Flacca e segui-los a pé, incluído um túnel construído através de uma caverna.

Essa estrada leva a diversas praias pequenas e selvagens, onde permanecem as ruínas de antigas torres vigia sobre penhascos. Ao longo da Via Flacca há barracas que vendem Mozzarella di Bufala, o tradicional queijo mussarela feito com leite de búfala. A criação de búfalos são tradicionais nessa região. 

ruinas da Villa de Tiberius

Grotta di Tiberius: Ao longo da Via Flacca encontra-se o Museu Arqueológico de Sperlonga, que também pode ser acessado por uma boa caminhada através da praia. O museu foi construído na antiga vila do Imperador Tibérius e contém muitos artefatos antigos, esculturas mitológicas e a Grotta di Tiberius.


ruinas da Villa de Tiberius

Sperlonga foi um antigo resort romano, onde o Imperador romano Tiberius passava sua temporada de verão na residência que pertencia à sua família por várias gerações. Governador do Império Romano de 14 a.C. a 37 d.C., na vila à beira-mar ele construiu uma sala de jantar onde pudesse entreter seus convidados e com vista para a caverna natural para exibir suas esculturas.

Grotta di Tiberius
Foi a Grotta de Tiberius que deu o nome à cidade. Sperlonga deriva do latim Speluncae, que significa caverna e se refere à gruta natural situada a poucos metros do mar. Tibérius amava as lendas a respeito das aventuras do herói grego Odisseu ou Ulisses, e as colossais esculturas encontradas por arqueólogos revelaram a fascinação do imperador pela arte helênica.


Grotta di Tiberius

A gruta foi mantida praticamente inalterada pelo imperador, tendo sido apenas embelezada com mascheroni que são máscaras grotescas e serviam como suportes para iluminar a caverna. Na entrada da caverna ele mandou escavar uma piscina circular com mais de 20 metros de diâmetro, onde havia uma escultura de Circe ao centro. 






No interior da caverna outras esculturas representavam o encontro de Ulisses com o cíclope Polifemo, o Palladium roubado e a Elevação de Ulisses após sua morte. No museu estão as colossais esculturas, cuja autoria são questionadas e atribuídas a diversos autores. Leia mais sobre Odisseu ou Ulisses em meu blog: eventosmitologiagrega.blogspot.com.br





Imperador Tiberius: Segundo contam alguns historiadores, certa vez Tiberius reuniu um grupo de convidados para um jantar, quando inesperadamente desabaram pedras do topo da gruta. Todos os convidados correram, exceto o servo Lucius Sejanus que protegeu o imperador com seu próprio corpo. Sejanus tinha servido a família imperial por mais de vinte anos e foi recompensado por sua lealdade ao imperador.

Sejanus foi promovido a chefe da guarda pretoriana, porém a proximidade com o imperador o levou a ambicionar o poder, talvez até assumindo o posto de imperador. Por armar esquemas no senado, Sejanus foi julgado e, junto com vários companheiros, foi executado devido à sua presunção. Esse fato tornou o imperador paranóico, deixando-o sempre preocupado com conspirações.

Conforme descrições da época, Tiberius era alto e tinha corpo atlético, porém se sentia incomodado com sua calvice prematura. Homem tímido e reservado, ainda jovem foi acometido por uma profunda depressão que piorou depois da morte de seu filho, marcando a declinação de seu governo.

Foi durante sua gestão que ocorreu a crucificação de Jesus Cristo. Além disso, começaram a surgir rumores sobre perversões sexuais praticados por Tiberius, tendo sido acusado de sadomasoquismo e pedofilia. Embora pudesse ser apenas uma maledicência de seus opositores em Roma, estes rumores marcaram a opinião do povo romano a respeito do imperador. 

Tempos depois Tiberius padeceu com terríveis úlceras faciais que lhe obrigavam a ter o rosto coberto por emplastos.
Para se manter longe de olhares indiscretos, Tiberius se auto-exilou na Ilha de Capri onde faleceu aos 77 anos sob condições suspeitas.  



Um comentário:

  1. Olá Lucia:
    Fiquei encantada com seu blog, trouxe-me boas recordações de quando estive em Florença, Veneza...Foi no meu 25º aniversário de casamento.
    Parabéns pelas lindas fotos e textos.
    bjs.
    Léah

    ResponderExcluir

Agradeço por sua visita e seus comentários

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.