16 maio 2014

Torino, discreta e elegante parte 3



Mito de Faetonte ou Phaethon

Mitologia grega: A nobre família Sabóia tinha predileção por decorações com elementos mitológicos gregos, que podem ser notados nas residências da família e nas construções das igrejas e teatros. Segundo uma antiga lenda contada pelo poeta grego Ovidio, Torino foi fundada por Phaethon ou Faetonte. Ele era filho do glorioso deus Hélius e da ninfa Climene, que prometeu jamais recusar um pedido de seu filho.

Quando Faetonte cresceu ninguém acreditava que ele era filho do resplandente sol, por isso ele foi procurar por seu pai em seu luminoso palácio onde nunca chegava a noite. Faetonte pediu para estar no lugar de seu pai pelo menos por um dia, guiando seu carro de luz guiado pelos corceis. Helius não queria concordar, mas diante da promessa feita antes do nascimento de seu filho ele concordou, advertindo ao filho de que deveria ter muito cuidado tanto na subida do dia quanto na descida antes da noite. Porém Faetonte era jovem demais para entender toda a sabedoria das advertências.

Logo que a Aurora abriu as portas do leste, Faetonte partiu cheio de entusiasmo. Durante alguns momentos de puro êxtase, Faetonte sentiu-se o próprio senhor do firmamento. Subitamente algo se modificou e Faetonte perdeu o controle dos cavalos, que passaram muito perto das florestas incendiando o mundo, deixando Faetonte envolvido num calor infernal. Nesse momento a Mãe Terra lançou um grito que ecoou junto aos deuses. A salvação do mundo dependia de uma rápida ação e Zeus lançou um raio contra o imprudente condutor fulminando-o no mesmo instante.

O misterioso rio Eridanus recebeu os restos mortais de Faetonte. Suas irmãs, as Helíades, vieram chorar sua morte e se transformaram em álamos junto às margens do rio Eridanus, que era o nome dado pelos gregos ao atual rio Pó. E cada lágrima delas, ao cair, cintilava em suas águas como reluzente gota de âmbar. As Náiades gravaram em seu túmulo: " Aqui jaz Faetonte. Grande foi sua ousadia e sua glória. De sua altura foram maiores os seus sonhos!... "



Castelo em Rivoli

Lendas do Castelo de Rivoli: Todo castelo que se preze tem sua histórias, lendas e segredos.  E o Castelo de Rivoli não é diferente. Sabe-se que o castelo é muito antigo e que já existia no século 11, quando foi adquirido pela família Sabóia. Foi o primeiro lugar na Itália onde esteve o Santo Sudário, que foi trazido da França por uma hóspede da família Saboia.

Um dos moradores do castelo foi Amadeus VI de Saboia, chamado de Conde Verde devido à capa verde que usava. Ele foi morar no castelo em 1330 e a partir daí seus descendentes moraram no castelo por séculos. Um desses descendentes era o Duque Emanuele Filiberto I de Saboia que pretendia casar com a herdeira do trono da Inglaterra, porém devido a um acordo de paz ele foi obrigado a casar com Margherita de Francia em 1557.

Além de Margherita já ter 36 anos, considerado na época como uma idade tardia para casamento, ela era uma moça sem sorte. Sempre que combinavam o seu casamento acontecia algo que acabava cancelando as núpcias. Até que negociaram seu casamento com o duque e no dia marcado para as núpcias não foi diferente, pois seu irmão que era um rei sofreu um sério acidente. Temendo que o duque cancelasse o casamento e deixasse a princesa "solteirona", a família de Margherita tratou de apressar a cerimônia ainda que tivesse de realizá-la sem festas.


Nostradamus: Uma preocupação do duque Emanuele Filiberto I era ter um filho que herdasse o trono, mas depois de 5 anos esperando que a esposa engravidasse o duque mandou buscar o astrólogo Nostradamus que morava em Torino.

Nostradamus traçou o horóscopo e previu que a criança nasceria muito fraca, magra e sem vitalidade. Viveria um longo tempo mas morreria em Jerusalém quando "1 enfrentasse 7", algo que ninguém soube decifrar.

Realmente a criança nasceu em 1562 e teve uma saúde frágil, tendo inclusive sido apelidada de "corcunda" devido aos seus ombros arqueados. A criança recebeu o nome de Carlo Emanuele I de Savoia e, quando seu pai morreu ele tornou-se Duque de Saboia e herdou o reino de Chipre e Jerusalém.  

Porém devido à profecia de Nostradamus ele evitava ir a Jerusalém. Apesar de sua prudência a profecia se tornou realidade. Carlo Emanuele I de Saboia morreu 1 ano antes de completar 70 anos, em um palácio que se situava na Via Jerusalém de uma pequena aldeia do Piemonte. Era o seu destino, do qual ele não conseguiu fugir!


Masmorras do castelo: Outra história aconteceu no castelo um século depois. Depois da morte de seu pai Vittorio Amadeo II tornou-se duque, mas por ter apenas 9 anos sua ambiciosa mãe, Maria Jeane di Saboia, tornou-se a regente.

Eles moravam no Palazzo Madama no centro de Torino e assim que ele completou 13 anos sua mãe tentou negociar seu casamento com a filha de Dom Pedro II, rei de Portugal. Para fugir da negociação, o esperto menino fingiu-se doente e o casamento foi cancelado.

Ao atingir a maioridade Vittorio Amadeo II assumiu o ducado e, não aguentando as interferências de sua mãe, afastou-a do poder em 1684. Em seguida o jovem duque casou-se com a herdeira Anne Marie Orleans. Teve um filho que morreu vítima de varíola e logo depois perdeu a esposa. Devido às essas perdas Vittório Amadeo II tornou-se muito triste e austero. Passou a repudiar o luxo e o esplendor da corte, preferindo as coisas simples e prometeu punir qualquer ostentação de riqueza de seus súditos.

E ainda que enfrentasse grandes guerras com os franceses, em 1706 ele casou-se novamente. Ao vencer a batalha, o duque deu um grande impulso a Torino mandando construir vários palácios, castelos e a Basílica de Superga. Entretanto, quando seu filho Carlo Emanuele III nasceu o duque foi informado de que o menino não poderia ser o seu herdeiro porque não era o primogênito.

Em 1730 o duque abdicou do trono para garantir o futuro de seu filho, mas aconselhou que ele evitasse grandes despesas e as pompas reais. Apesar dos conselhos de seu pai, Carlo Emanuele III retomou as grandes festas e bailes na corte. Por não concordar com as atitudes do filho, Vittorio Amadeo II tentou retomar o poder. Porém foi preso por seu filho nas masmorras do Castelo de Rivoli onde enlouqueceu. Algum tempo depois ele faleceu e seus restos mortais jazem na Basílica de Superga que mandou construir.



Basílica de Superga no alto na colina


Basílica de Superga

Basílica de Superga

Homenagem aos jogadores do Torino

Basílica de Superga: No lugar mais alto da colina em torno de Torino está a Basílica de Superga, que é visível de qualquer parte da cidade. De longe ela parece pequenina, mas quando se chega diante da basílica tem-se a ideia exata de sua grandiosidade. Seu interior é magnifico e a cúpula da basílica é impressionante.

Do alto da colina tem-se uma bela vista panorâmica da cidade. E foi essa visão que deu origem à criação da basílica. Em 1704 Torino enfrentou um sério conflito com os franceses e o Duque Vittorio Amedeo II de Sabóia subiu até a montanha para observar o movimento dos inimigos. Diante do iminente ataque, o duque fez uma promessa à Virgem Maria de que construiria uma igreja naquele local. Tendo vencido a batalha ele mandou construir a basílica que foi concluída em 1731 e onde estão os mausoléus de reis e príncipes da família Saboia.

Atrás da basílica existe uma homenagem aos 18 jogadores e da comissão técnica do Torino, que morreram num trágico acidente na colina de Superga. Em 04 de maio de 1949 a equipe do Torino estava retornando de uma partida realizada em Lisboa num voo que deveria chegar em Torino no final da tarde. Entretanto a aeronave foi surpreendida por intenso nevoeiro vindo a chocar-se contra a colina, nada tendo restado da violenta explosão. Na época o Torino era uma das melhores equipes de futebol da Itália e da Europa, mas a tragédia  mudou para sempre a história do clube. 



estádio do Juventus


estádio olímpico de Torino

Juventus/Torino: Os italianos são apaixonados por futebol e em Torino existem dois grandes clubes: o Torino (Il Toro Rosso) e a Juventus (La Juve Bianconera), que atualmente é uma das melhores equipes da Itália e foi consagrada campeã do Campeonato italiano nos últimos tempos.


Existem dois estádios distantes do centro da cidade. De um lado, o belo e moderno Estádio da Juventus foi construído para a Copa do Mundo de 1990.  Do outro lado da cidade está o Estádio Olimpico Torino, onde foram realizados os Jogos Olímpicos de 2006. 





Museu do Esporte: O tour nas dependências do estádio Torino permite conhecer o Museu do Esporte, que é um dos poucos museus esportivos do mundo e o primeiro e único permanente na Itália dedicado a todos os esportes. Iniciado através de uma coleção particular, o acervo do museu cresceu tanto que hoje ocupa dois andares.






Na exposição há camisas de diversos clubes, troféus, materiais esportivos, fotos, bicicletas, motocicletas e homenagens a grandes campeões mundiais. É dedicada uma homenagem especial para o piloto Ayrton Senna e aos jogadores brasileiros Zico e Pelé, que acalentaram a nossa paixão pelo futebol e pela Fórmula 1. 







Um comentário:

  1. Permesso, per piacere.
    Il Stadio construtto per il Mondiale di calcio 1990 si chiamava "Stadio Delle Alpi" (Gruppo C: Brasile, Svezia, Costa Rica, Scozia). Un Stadio comunale.
    Il Juventus Stadium è un altro Stadio. Inaugurato nel 2011 dopo la demolizione del Delle Alpi. Cinque anni dopo il Giocchi Olimpici Invernali 2006 (Stadio Olimpico, oggi Stadio Olimpico Grande Torino).
    Grazie a tutti voi di cuore. Auguri!

    ResponderExcluir

Agradeço por sua visita e seus comentários

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.